Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa abre pregão em baixa e espera Petrobras

Os efeitos da crise financeira na economia real, que têm levado empresas norte-americanas importantes a pedir concordada, dispensar pessoal, cortar produção e rever para baixo previsões futuras de crescimento, mantêm os mercados internacionais na defensiva esta manhã. E a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) segue o mau humor externo, com abertura em baixa do índice Bovespa, sem força para sustentar a valorização tímida da véspera, de 0,30%, impulsionada pela valorização de Vale, Petrobras e siderúrgicas.

Agência Estado |

Às 11h09, o Ibovespa registrava perda de 2,61% a 35.816 pontos.

Os papéis das empresas ligadas a matérias-primas (commodities) subiram bastante na Bovespa ontem por causa da expectativa de reativação da economia chinesa devido ao pacote de estímulo econômico anunciado pelo governo de Pequim, no valor de US$ 586 bilhões.

Hoje, Petrobras deve seguir no foco das atenções com os investidores esperando para depois do fechamento do pregão o balanço da companhia. As ações da estatal abriram em baixa, seguindo a queda de mais de 4% do preço do petróleo, mas a queda pode ser amenizada pela expectativa de mais um resultado recorde no trimestre. Analistas ouvidos pela Agência Estado esperam lucro de R$ 9,5 bilhões no terceiro trimestre, o que representa uma alta de 71,8% em relação ao apurado entre julho e setembro de 2007. Às 11h10, as ações preferenciais (PN) da Petrobras caíam 2,80% a R$ 23,28 e as ordinárias (ON) cediam 2,59% a R$ 28,53.

Também depois do fechamento sai o resultado de Eletrobrás, BM&FBovespa, Itaúsa, Cemig.

Os índices futuros em Nova York operam em baixa de 1,6%, e na Europa as perdas se aproximam de 3%, diante das perspectivas pessimistas para os resultados das empresas. Por ser feriado nos EUA (Dia do Veterano), embora as bolsas de valores e o mercado de commodities funcionem normalmente, a liquidez deve ser reduzida.

Hoje, a fabricante de alumínio Alcoa anunciou que vai cortar sua capacidade anual de produção em suas usinas de fundição em todo o mundo em mais 350 mil toneladas. Isso eleva o montante total de redução das usinas da Alcoa para 615 mil toneladas por ano, valor que representa 15% de sua produção anualizada. Os cortes terão início imediato.

Aqui, os investidores devem reagir de forma positivo ao resultado da operadora de celular Vivo, que lucrou R$ 129,8 milhões no terceiro trimestre, crescimento de 204,7% ante igual período de 2007.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG