As principais bolsas européias terminaram em queda hoje, puxadas pelas ações do setor automotivo, diante do aumento nos preços do petróleo até o encerramento das sessões, e em meio às incertezas sobre o pacote de US$ 700 bilhões elaborado pelo governo dos EUA para auxiliar o mercado financeiro. As montadoras estão sendo prejudicadas pelos temores sobre o comportamento do petróleo no momento, disse Stephen Pope, estrategista de mercado da Cantor Fitzgerald em Londres.

"As perspectivas econômicas atuais estão colocando as commodities numa situação de sobe e desce." As ações da Volkswagen perderam 5,8%, Renault caiu 2,85% e a Peugeot cedeu 2,66%.

As ações do setor financeiro contrariaram a tendência de baixa do mercado, reagindo à notícia de que a Berkshire Hathaway, empresa controlada por Warren Buffett, investirá US$ 5 bilhões no banco Goldman Sachs por meio da compra de ações preferenciais perpétuas. "A decisão de Warren Buffett em relação ao Goldman reforça a nossa visão de que as ações finalmente estão num valor atraente", disse Charles Dumas, da Lombard Street Research.

O setor de serviços públicos recebeu atenção do mercado após a companhia francesa Electricité de France (EDF) anunciar a aquisição da British Energy por 12,5 bilhões de libras (US$ 23,1 bilhões). Caso se concretize, o acordo posicionará a EDF na liderança do setor de energia britânico e permitirá que a francesa construa quatro reatores nucleares no Reino Unido a partir de 2017.

As ações da EDF em Paris subiram 3,21%, enquanto as da British Energy avançaram 5,66% em Londres - um dos avanços mais acentuados da sessão.

O índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, terminou em queda de 40,60 pontos (-0,79%), para 5.095,6 pontos. As ações da empresa de mineração e metais Vedanta pesaram sobre o índice, recuando 6,75% após a companhia descartar um plano para simplificar sua estrutura corporativa. Outras mineradoras também caíram, diante do declínio nos preços dos metais. A Anglo American perdeu 5,99% e a Rio Tinto 0,77%. Alguns bancos tiveram desempenho positivo, com destaque para o Royal Bank of Scotland, que subiu 3,32%. O Barclays recuou 3,29%.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX caiu 15,66 pontos (-0,26%), para 6.052,87 pontos. Munich Re terminou em alta de 4,62% e a Hannover Re subiu 8% após a divulgação de uma nota da JPMorgan afirmando que as duas companhias eram as melhores apostas do setor de resseguradoras.

O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, terminou em queda de 25,28 pontos (-0,61%), para 4.114,54 pontos. Perto do final da sessão, o sentimento do mercado foi atingido pela divulgação de um dado que mostrou deterioração do sentimento dos consumidores franceses em setembro, que atingiu o menor nível em cinco anos.

O Crédit Agricole liderou a alta do setor de bancos, com avanço de 5,11%, enquanto o Société Générale subiu 2,46%. A Alcatel-Lucent ganhou 3,73% com cobertura de posições vendidas.

Na Bolsa de Madri, o índice IBEX-35 recuou 63,60 pontos (-0,57%), para 11.112,9 pontos. Os bancos encerraram mistos, com o alta de 0,29% no Santander, queda de 0,17% para o BBVA e aumento de 0,46% para o Banco Popular. A Repsol subiu 1.74% em meio aos preços mais altos do petróleo. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.