Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas européias fecham em forte baixa com bancos

Os principais mercados europeus terminaram a sessão de hoje em queda acentuada, pressionados pelo pedido de concordata do banco de investimentos Lehman Brothers, que influenciou negativamente as ações do setor bancário. Os problemas hoje não estão focados em companhias individuais, mas são sistêmicos, e apesar de provavelmente não ser o momento de dizer qualquer coisa concreta sobre o futuro no longo prazo, existe um senso hoje de que o cenário financeiro mudou de maneira irrevogável, disse Peter Dixon, economista do Commerzbank em Londres.

Agência Estado |

Em Londres, o índice FTSE 100 caiu 3,92%, a 5204,20 pontos. Em Paris, o índice CAC-40 recuou 3,78% e fechou a 4.168,97 pontos. Em Frankfurt, o índice Xetra-Dax caiu 2,74% e fechou a 6.064,16 pontos. A Bolsa de Milão caiu 3,66% e fechou a 27.333 pontos; em Madri, o índice Ibex-35 recuou 4,5% e fechou a 10.899,00 pontos; em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 3,11% e fechou a 8.096,37 pontos.

"O fato das perdas do índice serem inferiores a 5% é, de certa forma, um indício de que mesmo com este fracasso notório (do Lehman), ainda não é o fim do mundo", disse o operador David Fineberg, da CMC Markets.

O colapso do banco de investimentos Lehman Brothers azedou o sentimento do mercado desde o início do dia. Os investidores também mostraram nervosismo após o Bank of America (BofA) apresentar uma proposta de compra pelo Merrill Lynch.

Também pesou sobre o mercado as especulações de que a gigante seguradora American International Group (AIG) está buscando um empréstimo emergencial de curto prazo do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), enquanto um artigo publicado ontem chamou atenção ao fato de que o suíço UBS provavelmente será forçado a declarar bilhões de dólares em baixas contábeis no segundo semestre deste ano. Na Bolsa de Zurique, as ações do UBS despencaram 14,54%;

Em um esforço para dar suporte à confiança no mercado monetário, o Banco Central Europeu (BCE) injetou bilhões de dólares extra de liquidez no curto prazo no sistema bancário e disse que está monitorando atentamente as condições do mercado. Contudo, o setor bancário financeiro da Europa foi fortemente atingido hoje.

Em Londres, HBOS recuou 17,55%, Royal Bank of Scotland (RBS) perdeu 10% e Barclays - que chegou a considerar uma oferta pelo Lehman - retrocedeu 9,84%. Em Paris, Credit Agricole despencou 9,19% e, em Frankfurt, o Deutsche Bank recuou 6,37%. Em Madri, o Banco Santander caiu 6,88% e, em Milão, o Unicredito Italiano fechou em baixa de 3,07%.

Os papéis de empresas petroleiras também afundaram, acompanhando o declínio dos preços do petróleo no exterior, sendo negociado na casa de US$ 96 o barril. Em Londres, A BP caiu 3,63% e a Royal Dutch Shell teve baixa de 4,07%. Em Paris, Total fechou em queda de 5,04% e, em Milão, Eni caiu 4,14%.

Entre as raras notícias positivas de hoje na Europa, as ações da Ciba Holding dispararam 28,1% depois da alemã Basf ter feito uma oferta de compra no valor de 6,1 bilhões de francos suíços (US$ 5,5 bilhões). As ações da empresa caíram 4,15% na Bolsa de Frankfurt. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG