SÃO PAULO - As bolsas da Europa encerraram a jornada de hoje em baixa, afetadas mais uma vez pela desvalorização de papéis de bancos. O setor reagiu negativamente à notícia de acordo entre o Tesouro do dos EUA e Citigroup, que pode levar o governo americano a ampliar sua participação acionária no banco para 36%.

Novos dados indicando retração da economia dos Estados Unidos também contribuíram para a queda dos índices europeus.

Em Londres, o FTSE-100 fechou com queda de 2,18%, para 3.830 pontos. O DAX, de Frankfurt, encerrou aos 3.843 pontos, com recuo de 2,51%. Em Paris, o CAC-40 declinou 1,54%, para 2.702 pontos.

O Citigroup informou que vai propor aos seus acionistas preferencialistas que troquem suas participações por ações ordinárias em um montante total de US$ 27,5 bilhões. Ao mesmo tempo, o Departamento do Tesouro dos EUA, que também possui ações preferenciais do Citi, deve complementar o aporte de capital fazendo conversão semelhante no valor de US$ 25 bilhões, o que não representa injeção de dinheiro novo.

Se as condições máximas da proposta forem atingidas, o governo dos EUA pode acabar com uma fatia de 36% no capital votante do Citi e os atuais detentores de ações ordinárias do banco ficarão com 26% do capital. O Citi também avisou que vai suspender o pagamento de dividendo de algumas classes de suas ações preferenciais, o que deve incentivar a migração.

As ações do Lloyds Bank caíram 22,27% e as do Royal Bank of Scotland (RBS) diminuíram 20%. Os agentes temem que o setor apresente baixas contábeis adicionais e há bastante incerteza sobre a capacidade de recapitalização das instituições.

Os agentes repercutiram o recuo de 6,2% do PIB americano entre outubro e dezembro do ano passado, abaixo da marca estimada anteriormente para o período, de 3,8%. É a baixa mais forte em 26 anos.

O setor farmacêutico também sofreu bastante na região, devido às perspectivas de corte no pagamentos ao setor privado de planos de saúde previsto pelo governo americano em alguns casos.

As ações da Sanofi Aventis declinaram 3,83% em Paris, as da Roche perderam 0,52% e as da GlaxoSmithKline cederam 1,02%. Os papéis da AstraZeneca recuaram 4,84%.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.