Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas européias fecham em alta com queda do petróleo

As principais bolsas européias fecharam com valorização superior a 2% nesta terça-feira, com a queda do petróleo respondendo por grande parte do entusiasmo de compra dos mercados. O impulso também veio dos balanços de algumas empresas, que apresentaram resultados melhores do que o esperado.

Agência Estado |

As ações de montadoras e de companhias aéreas foram as que mais se beneficiaram da queda do petróleo, assim como as financeiras, já que a retração do preço da matéria-prima diminui a urgência das autoridades monetárias para combater a inflação.

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, superou 5.400 pontos e fechou aos 5.454,50 pontos, após subir 2,52%. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX, subiu 2,66% e fechou aos 6.518,70 pontos; em Paris, o índice CAC-40 avançou 2,47% e fechou aos 4.386,35 pontos.

Resultados das empresas

Os papéis de companhias do setor aéreo e do setor financeiro receberam impulso adicional do noticiário corporativo.

A Air France-KLM divulgou queda de 60% no lucro líquido do primeiro trimestre, para 168 milhões de euros (US$ 260 milhões), parcialmente devido aos maiores custos de energia. Mas as ações fecharam em alta de 9,4% ao anúncio de corte nas despesas para contrabalançar os preços altos do petróleo. A Air France também confirmou seu objetivo para o ano de lucro operacional de 1 bilhão de euros.

No setor financeiro, os papéis do Société Générale encerraram o dia com ganhos de 9,4%, depois que o banco anunciou queda no lucro não tão severa quanto o previsto. O lucro líquido da instituição caiu para 644 milhões de euros (US$ 1 bilhão) no segundo trimestre, ante 1,74 bilhão de euros no mesmo intervalo de 2007. Analistas esperavam lucro de 470 milhões de euros.

O Standard Chartered terminou o dia com alta de 8,36%, ao informar que seu lucro líquido no primeiro semestre subiu 32%, para 1,84 bilhão de libras (US$ 3,59 bilhões), já que os fortes negócios com empresas ajudaram a compensar a desaceleração na receita com atividades bancárias de varejo.

Os papéis da Swiss Re ganharam 1,9%, desempenho abaixo de todo o resto do setor financeiro. O lucro líquido da companhia no segundo trimestre caiu para 564 milhões de francos suíços (US$ 537,1 milhões), de 1,2 bilhão de francos um ano antes, prejudicado por novas baixas contábeis ligadas à exposição a hipotecas subprime dos EUA. A empresa também informou que irá adquirir o Barclays Life Assurance, unidade do banco britânico Barclays, por 753 milhões de libras em dinheiro (US$ 1,5 bilhão). As ações do Barclays fecharam com valorização de 8,8%.

As ações do Allianz avançaram 4,9%, com informações de que o Banco do Desenvolvimento da China está interessado em comprar a unidade Dresdner Bank, da Allianz, para ganhar sustentação no mercado europeu. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG