Os principais índices das bolsas europeias fecharam o dia em firme alta, impulsionadas pelo retorno dos investidores após indicadores econômicos favoráveis. O Japão, que anunciou uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) bem acima do esperado no terceiro trimestre, abriu a rodada, que foi seguida pelos números mais fortes que o estimado de vendas no varejo nos Estados Unidos.

Em Londres, o índice FT-100 subiu 86,29 pontos (1,63%) e fechou com 5.382,67 pontos; em Paris, o índice CAC-40 avançou 57,15 pontos (1,50%) e fechou com 3.863,16 pontos; em Frankfurt, o índice Dax-30 subiu 117,99 pontos (2,07%) e fechou com 5.804,82 pontos.

O setor de recursos básicos teve destaque hoje, com o ouro renovando a máxima do ano com base na fraqueza do dólar, que também deu impulso aos metais básicos. As ações da ArcelorMittal fecharam em alta de 4,3%, as da Rio Tinto avançaram 5,49% e as da Randgold Resources subiram 4,82%.

A atividade de fusão e aquisição ajudou a impulsionar o mercado. No Japão, a Canon fez uma oferta de 730 milhões de euros em dinheiro para comprar a fabricante holandesa de impressoras Oce. As ações da Oce dispararam 70% na Bolsa de Amsterdã.

As montadoras também tiveram um bom desempenho, beneficiados pelo aumento de 11,2% no registros de novos carros de passageiros na Europa em outubro: Peugeot 4,48%, Renault 3,16%, Daimler 4,40% e Volkswagen 1,14%.

A gigante European Aeronautic Defense & Space (EADS), fabricante dos aviões Airbus, subiu 4,56%, depois de informar que saiu de um lucro para um prejuízo líquido de 87 milhões de euros no terceiro trimestre, mas manteve sua meta de novas encomendas para suas operações do Airbus no ano fiscal. "A forte reserva de estoques de pedidos e a sólida posição em dinheiro permanecem pontos fortes fundamentais", disseram analistas do Commerzbank.

As ações da norueguesa Tandberg subiram 3,55% depois que a americana Cisco Systems aumentou sua oferta pela companhia para 19 bilhões de coroas norueguesas (US$ 3,4 bilhões), em uma tentativa de tentar superar a resistência dos acionistas.

Por outro lado, as ações da gigante Vivendi caíram 2,57%, depois que a companhia aumentou sua oferta pela brasileira GVT Holding. A Vivendi elevou sua oferta de R$ 42 por ação para R$ 56 por ação, superando a proposta de R$ 50,50 por ação da espanhola Telefónica. Em Madri, as ações da Telefónica subiram 0,60%. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.