Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas europeias e asiáticas despencam

As principais bolsas europeias fecharam em forte baixa mesmo com a ação coordenada de corte de juros realizada pelos bancos centrais da zona do euro (BCE), Reino Unido, Canadá, Suécia, Suíça, da China e dos Estados Unidos.

Redação com Agência Estado |

 

Acordo Ortográfico O Índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 5,18% (238,5 pontos), para 4.366 pontos. O índice DAX-30, da Bolsa de Frankfurt caiu 5,88% (313,01 pontos), para 5013 pontos.

O índice o Ibex-35, da Bolsa de Madri, fechou em baixa de 5,20%. O índice CAC-40 da Bolsa de Paris fechou em baixa de 6,39% para 3.493,70 pontos, em comparação ao fechamento de 3.732,22 pontos de ontem, terça.

"Isto era o que o mercado estava esperando. A medida não foi uma surpresa, mas está apontando para a direção certa", disse um operador de Frankfurt, enquanto a bolsa ainda operava em alta, acrescentando que o mercado a partir de agora ficará atento a Wall Street.

Os índices futuros de ações das Bolsas de Nova York chegaram a apagar as fortes perdas que registravam no início do dia e migraram para o território positivo, após a ação coordenada dos bancos centrais de todo o mundo, de cortar a taxa básica de juros de suas economias, numa tentativa de conter a crise no sistema financeiro global. Esse "otimismo", porém, não durou muito e, algumas horas depois da abertura, as bolsas já registravam fortes quedas.


Mercados asiáticos

O pânico tomou conta dos mercados asiáticos, que ignoraram completamente as medidas anunciadas pelas autoridades monetárias e governos para tentar recuperar o controle da situação financeira mundial.

O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio encerrou a sessão em baixa de 9,38%, a maior queda desde a "segunda-feira negra" de 1987, em conseqüência do pânico dos investidores diante da crise financeira mundial. O índice Nikkei 225 retrocedeu 952,58 pontos, a 9.203,32 unidades.

Esta é a maior queda registrada pelo Nikkei no fechamento desde a "segunda-feira negra" de 20 de outubro de 1987, quando o índice japonês teve baixa de 14,90%. Além disso, é a terceira maior queda da história do Nikkei, depois da baixa de 10,00% registrada em 1953.

Os investidores japoneses são vítimas do pânico pela crise financeira mundial e da desvalorização do dólar em relação ao iene, que penaliza os exportadores japoneses. O dólar chegou a ser negociado abaixo dos 100 ienes pela primeira vez em sete meses.

A Bolsa de Hong Kong encerrou a sessão em forte queda de 8,2%, seguida por Seul com retrocesso de 5,81%. Taiwan perdeu 5,76%, Sydney 5,0%, Xangai 3,04% e a Nova Zelândia 1,86%. Após uma queda de mais de 10%, a Bolsa de Jacarta suspendeu as cotações pelo restante do dia.

  • Mais notícias:

     

    Para saber mais

     

    Serviço 

     

    Opinião

     

    Leia mais sobre: bolsas

  • Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG