As ações e moedas européias recuam nesta quarta-feira, após as declarações do presidente do Banco da Inglaterra (BOE), Mervin King, terem direcionado novamente o foco da atenção dos mercados para o futuro da economia real. Ontem, King afirmou que agora parece provável que a economia do Reino Unido esteja entrando em recessão, um comentário considerado altamente incomum, já que representantes de bancos centrais geralmente evitam expressar um pessimismo como esse em público.

Além disso, seus comentários, embora específicos para o Reino Unido, tiveram um impacto também sobre a Europa continental, cuja posição econômica é considerada tão ruim quanto a dos ingleses. "A avaliação da economia do Reino Unido feita por King e a dificuldade que o país enfrenta ajudaram a provocar um novo aumento da aversão ao risco", disse o estrategista Naeem Wahid, do Bank of Scotland Treasury.

"Praticamente todo mundo está se preparando para uma recessão", disse o estrategista James Montier, do banco francês Société Générale. "Apesar de os mercados apresentarem preços mais razoáveis depois dos declínios recentes, os riscos para os lucros ainda são um perigo claro e presente para os investidores."

Houve um impacto semelhante nos mercados cambiais, onde os analistas disseram que as palavras de King aceleraram um fluxo de saída de recursos da Europa para os EUA e o Japão. "A repatriação de capital é o assunto chave para os mercados cambiais", disse o diretor gerente de câmbio do UBS Investment Bank, Mansoor Mohi-uddin. "Embora os dados sobre repatriação de capital sejam limitados, neste ano até o momento as fontes que acompanhamos sustentam a visão de que o retorno sobre o capital está conduzindo as moedas em todo o mundo", acrescentou ele.

Mais cortes de juros são agora amplamente esperados na Europa, já que as autoridades da região tentam conter a desaceleração econômica. No Reino Unido, a redução da taxa é vista como inevitável. "O BOE está posicionado para reduzir agressivamente os juros nos próximos meses na tentativa de estimular a economia", disse o analista Matthew Sharratt, do Bank of America. Ele afirmou que a ata da reunião do BOE do último dia 8 de outubro, divulgada hoje, sustenta essa previsão.

Às 13h08 (de Brasília), a Bolsa de Londres recuava 4,20%, a de Frankfurt perdia 4,54% e a de Paris cedia 4,56%. O euro recuava 0,20%, para US$ 1,2894, e 2,53%, para 127,75 ienes. O dólar subia 0,22%, para 1,1628 franco suíço. Com a apreciação do dólar, os metais, tanto industriais quanto preciosos, recuam, bem como o petróleo. O complexo de commodities, de maneira geral, é derrubado não só por esse movimento cambial, como também pelas persistentes preocupações com o impacto da saúde econômica sobre a demanda. O aumento maior que o esperado dos estoques de petróleo nos EUA na semana passada também contribui para a queda do óleo. Às 12h55 (de Brasília), o contrato para dezembro cedia 5,35%, para US$ 68,32 o barril. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.