Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas europeias caem com ações do setor financeiro

As principais bolsas europeias fecharam em queda nesta quarta-feira, pressionadas pelas preocupações com os mercados de crédito e com uma possível recessão na Europa. Os índices ficaram voláteis durante toda a sessão, enquanto os investidores digeriam o resultado ruim do terceiro trimestre do banco de investimentos norte-americano Lehman Brothers, que provocou a baixa das ações dos grandes bancos europeus.

Agência Estado |

Acordo Ortográfico "Até termos sinais claros de que o setor financeiro dos Estados Unidos realmente se ajustou, nós veremos esse tipo de volatilidade na Europa. Até que o sistema financeiro esteja em ordem, nada vai realmente começar a se recuperar", afirmou James Chu, diretor e chefe de investimento da Blu Sky Asset Management, uma empresa britânica de investimentos.

A Bolsa de Londres fechou com o índice FTSE 100 em queda de 49,40 pontos (-0,91%), a 5.366,2 pontos. Os bancos britânicos foram prejudicados pelo anúncio do balanço do Lehman Brothers. HBOS caiu 2,8%, Barclays recuou 5,3% e o Royal Bank of Scotland cedeu 3,6%. Com a queda dos contratos futuros do ouro, as ações das mineradoras foram pressionadas, o que levou Kazakhmys a cair 8,8% e a BHP Billiton a perder 1,4%.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice Dax 30 fechou em baixa de 23,09 pontos (-0,37%), aos 6.210,32 pontos. Os temores em relação a uma recessão na zona do euro (15 países da Europa que têm em comum o euro como moeda) também predominaram na bolsa alemã. Deutsche Bank caiu 1,6% e Allianz cedeu 2,2%. No terreno positivo, Deutsche Postbank subiu 4,1% depois de o jornal Wall Street Journal informar que o Deutsche Post, que controla o Postbank, poderá vender sua participação no banco alemão na sexta-feira.

O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, fechou em queda de 9,68 pontos (-0,23%), aos 4.283,66 pontos, prejudicado pelas ações do setor financeiro, de acordo com um operador. Crédit Agricole caiu 4,8%, Société Générale cedeu 4,1%, Dexia perdeu 3,4%, BNP Paribas declinou 2,1% e Axa registrou -1,2%. O banco Crédit Agricole também foi afetado negativamente pelo anúncio de cortes de postos de trabalho em sua unidade Calyon. A farmacêutica Sanofi-Aventis, por outro lado, teve alta de 7,2% após informar que terá um novo executivo-chefe.

Em Milão, o índice S&P/MIB encerrou o pregão com baixa de 199 pontos (-0,70%), aos 28.064,0 pontos, também em razão do desempenho negativo do setor financeiro. UniCredit caiu 1,2% e Intesa Sanpaolo perdeu 2,0%. Ações expostas aos Estados Unidos tiveram queda, como a Luxottica (-4,6%). A operadora de banda larga Fastweb, ao contrário, teve alta de 1,5%, reagindo à elevação de sua recomendação pelo HSBC.

Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 caiu 169,20 pontos (-1,49%), para 11.180,80 pontos. Santander cedeu 3,2%, também como consequência de relatos de que o banco espanhol que comprar o alemão Deutsche Postbank. BBVA declinou 1,5%. As ações do setor de energias renováveis tiveram queda e, segundo analistas, a razão é a diminuição dos preços do petróleo. Iberdrola Renovables caiu 4,7%, Gamesa cedeu 4,0%.

O índice PSI-20 da Bolsa de Lisboa teve perda de 142,43 pontos (-1,7%), para 8.287,74 pontos. Galp Energia caiu -3,77%. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre bolsa de valores

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG