Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas dos EUA reagiram na sexta com expectativa de ajuda a montadoras

SÃO PAULO - As bolsas de valores americanas fecharam em alta na sexta-feira em meio à esperança do mercado de que as grandes montadoras país ainda poderão conseguir uma ajuda do governo. O desempenho do dia contrastou com a forte queda ocorrida nos pregões da Ásia e da Europa.

Valor Online |

Investidores também apostavam na possibilidade de que as grandes reservas de capital das companhias de tecnologia irão ajudá-las a enfrentar a desaceleração econômica.

O índice Dow Jones teve alta de 0,75%, a 8.629 pontos. O Standard & Poor´s 500 subiu 0,70%, a 879 pontos. O Nasdaq avançou 2,18%, a 1.540 pontos. Na semana, o Dow caiu 0,1%; o S & P 500 avançou 0,4%; e o Nasdaq saltou 2,1%, segundo dados preliminares.

Na última tentativa de socorrer financeiramente as montadoras, a Casa Branca afirmou que pode dar financiamentos emergenciais para a indústria automobilística, um dia após o Senado rejeitar o pacote de ajuda.

Os ganhos do Nasdaq superaram os dos outros dois índices, à medida que investidores buscaram ações de tecnologia.

A Apple ajudou a impulsionar o indicador da bolsa de tecnologia, subindo mais de 3%. Neste ano o Nasdaq caiu 43%, desempenho pior do que a queda de 35% do Dow.

" A expectativa é de que o setor tecnológico será um dos primeiros e não o último dos setores a se recuperar " , afirmou Michael James, operador sênior do banco de investimento Wedbush Morgan.

As ações negociadas no mercado europeu fecharam o dia em queda, puxadas pelo setor bancário, que recuou em meio a temores de grandes perdas.

Ao mesmo tempo, os papéis de montadoras amargavam perdas diante de um possível fracasso do plano de resgate da indústria automotiva dos Estados Unidos, situação revertida após o fechamento dos mercados.

O índice FTSEurofirst das principais ações européias teve fechamento preliminar de queda de 2,8%, para 829 pontos, depois de ter atingido 811 pontos no dia. O índice já perdeu cerca de 45% este ano, afetado pela crise global de crédito.

O setor bancário foi o que mais pesou sobre o índice, com papéis do HBOS caindo 19% após o banco informar que sua dívida aumentou. Barclays, Lloyds TSB e Royal Bank of Scotland perderam entre 8% e 17%. Papéis de montadoras também ficaram prejudicados. BMW, Daimler, Renault, Fiat, Peugeot e Porsche caíram entre 1% e 6%.

" É uma situação muito frágil, e estamos batendo no fundo do poço no momento " , disse Darren Winder, chefe de pesquisa macroeconômica e estratégica do Cazenove. " Não há muita confiança no momento. As pessoas estão com medo do pior para a economia em 2009. Obviamente há uma falta geral de liquidez no mercado. "
O HBOS alertou que empréstimos ruins e outras perdas este ano saltaram em dois terços em dois meses, para 8 bilhões de libras (aproximadamente US$ 11,9 bilhões), à medida que os empréstimos a companhias aumentaram, logo antes de seus investidores terem apoiado a aquisição do banco britânico.

Em Londres, o índice Financial Times fechou em queda de 2,47%, a 4.280 pontos. O DAX, de Frankfurt, recuou 2,18%, para 4.663 pontos. Houve queda de 2,80%, para 3.213 pontos, no CAC-40, de Paris. Na bolsa de Milão, o Mibtel encerrou em baixa de 2,32% (14.974 pontos). O Ibex-35, de Madri, registrou queda de 2,26% (8.975 pontos). Em Lisboa, o PSI20 teve perda de 1,25% (6.100 pontos).

(Valor Econômico, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG