Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de N.York caem mesmo com governo anunciando compra de ações bancárias

Nova York - As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta terça-feira, influenciadas pela queda das ações tecnológicas e a despeito do plano do governo americano para comprar títulos de bancos em dificuldades.

Redação com EFE |

Segundo dados preliminares, o Dow Jones Industrial, principal índice de Wall Street, caiu 77,1 pontos (0,82%), para 9.310,51, em um dia em que chegou a subir 4,33% e a se desvalorizar 3,21%.

Já o indicador da Nasdaq recuou 65,24 pontos (3,54%), para 1.779,01.

Por sua vez, o seletivo S&P 500, que mede o desempenho de 500 grandes empresas, caiu 5,48 pontos (0,55%), para 997,87.

Europa

Apesar de alguns mercados terem reduzido o otimismo, as bolsas europeias fecharam no positivo. Londres fechou com alta de 0,76%.

O índice Latibex, que reúne as ações de empresas latino-americanas negociadas em euros na Bolsa de Madri, teve alta expressiva e fechou subindo 10,30%. O índice Ibex-35 da Bolsa de Madri subiu 2,70%.

O índice S&P/MIB da Bolsa de Milão subiu 3,66% e o índice CAC-40 da Bolsa de Valores de Paris subiu 2,75%. Já em Frankfurt, a alta foi de 2,70%.

Ásia

As Bolsas asiáticas fecharam em alta e o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 14%, sua maior alta diária já registrada, após o pregão ficar fechado na segunda-feira por conta de um feriado.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 4,37% e a Bolsa de Seul fechou com alta de 6,14%.

Planos de investimento

Ontem, Reino Unido, Alemanha, França, Espanha e Itália disseram que vão investir dezenas de bilhões de libras e euros em fatias de bancos em dificuldades, além de oferecer centenas de bilhões em mais garantias com o objetivo de ajudar as instituições financeiras a ter acesso aos recursos que precisam para tocar seus negócios. Agora, a expectativa é que o governo americano adquira fatias em nove das principais instituições financeiras do país como parte do novo plano para restaurar a confiança no sistema.

"Esses esforços deverão garantir que nós evitemos um cenário de rápido declínio rumo à deflação, pedidos de concordata generalizados no setor bancário e uma recessão muito profunda e prolongada", disseram analistas do Société Générale. As ações deste, aliás, subiam 7% em Paris nesta manhã. Ontem, o banco disse esperar obter lucro líquido no terceiro trimestre e reiterou que não prevê perdas significativas em suas atividades com produtos estruturados.

Mais notícias

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Leia tudo sobre: wall street

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG