Os principais índices das Bolsas de Nova York inverteram o sinal e passaram para o terreno negativo nesta tarde, com a acentuada queda dos preços do petróleo pesando sobre o mercado no geral, em meio às especulações de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) poderá reduzir sua produção no encontro ministerial na próxima semana. A queda do petróleo e outras commodities (matérias-primas) também pesa sobre as ações das empresas do setor de matérias primas.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), os contratos futuros de petróleo com entrega em outubro registravam uma queda de quase US$ 6,00, para abaixo de US$ 110,00 por barril, pouco antes do encerramento dos negócios do dia, com os investidores devolvendo o prêmio furacão, uma vez que Gustav passou pela costa do Golfo do México sem provocar danos significativos à infra-estrutura de energia. Os preços do petróleo vêm caindo de forma sustentada desde o recorde acima de US$ 145,00 por barril, registrado no início de julho.

Outros analistas avaliam que a liquidação dos preços do petróleo pode estar ocorrendo muito tarde para o mercado de ações. Alguns indicadores econômicos dos EUA e no exterior sugerem que a escalada dos preços do petróleo no primeiro semestre do ano já provocou estragos ao crescimento global. Recentemente, o ministro de Finanças do Reino Unido, Alistair Darling, disse em entrevista a um jornal britânico que a atual desaceleração poderá ser a pior desde a Segunda Guerra Mundial.

Às 15h42 (de Brasília), o índice Dow Jones cedia 0,01%, o Nasdaq caía 0,82% e o S&P-500 registrava uma queda de 0,46%. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.