SÃO PAULO - O medo da recessão, acentuado por indicadores econômicos em queda, superou qualquer otimismo ou esperança que poderia surgir nas bolsas de Nova York após aprovação do pacote de US$ 700 bilhões pelo Senado dos EUA na noite de ontem. O Dow Jones caiu 3,22%, para 10.482 pontos.

O Standard & Poor´s 500 cedeu 4,03% e fechou aos 1.1146 pontos. O eletrônico Nasdaq apontou baixa de 4,48%, para 1.976 pontos.

O mercado começa a ponderar que o plano de resgate pode representar apenas um alívio para a crise financeira, mas não um amparo significativo para a retomada do crescimento da economia, que dá sinais cada vez mais evidentes de retração.

Depois da queda de 27% nas vendas de automóveis nos EUA, divulgada ontem, hoje os americanos despertaram com um novo aumento do número de pedidos de seguro desemprego na última semana, com mil solicitações a mais, para 497 mil pedidos.

Para completar o cenário de queda da atividade econômica, os agentes também repercutiram a baixa de 4% nos pedidos às fábricas em agosto. A expectativa era de queda de 3% no período. Trata-se da baixa mais relevante em dois anos e as quedas mais representativas foram por pedidos de máquinas e veículos.

Entre as ações, destaque de queda para as ações do setor produtivo. Os papéis da Alcoa cederam 8,89% (US$ 19,38). A Caterpillar encerrou com queda de 8,31% (US$ 52,22) e as ações da General Electric caíram 9,59% (US$ 22,15).

No setor petrolífero, as ações da Conoco perderam 4,21%. A Merrill Lynch revisou para baixo a previsão para preço do barril em 2009, de US$ 107 para US$ 90 e alertou que uma recessão global poderia devolver o preço do produto a US$ 50 por barril.

(Valor Online, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.