Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de NY fecham com recuperação com aposta em aprovação de plano

SÃO PAULO - As bolsas de Nova York apontaram recuperação importante nesta jornada, em mais um pregão marcado pelas expectativas dos investidores em relação ao plano dos Estados Unidos para salvar o setor financeiro. Hoje os agentes ponderaram que a sinalização de alguns líderes congressistas apontam para a aprovação do pacote, que foi rejeitado ontem pelos parlamentares e levou os índices a baixas históricas em Wall Street.

Valor Online |

O índice Dow Jones fechou com alta de 4,68%, aos 10.850 pontos. O Standard & Poor´s 500 subiu 5,27%, para 1.164 pontos. O eletrônico do Nasdaq encerrou aos 2.082 pontos, com com valorização de 4,97%.

Mesmo com o avanço nesta jornada, o S & P 500, que abriga os papéis de instituições financeiras, fechou setembro com baixa de 9,2% e tombou 9% no trimestre. Já o Dow Jones caiu 6% no mês e 4,4% em três meses. O Nasdaq perdeu 12% em setembro e 9,2% no trimestre.

Apesar da negativa de ontem do congresso americano em aprovar o plano de US$ 700 bilhões proposto por Henry Paulson, os agentes apostaram em uma mudança de avaliação, tendo em vista o risco de recessão sem o plano questão. Na manhã de hoje, o presidente George W. Bush voltou a apelar ao legislativo, lembrando que sem o plano a economia real pode sofrer estragos severos.

As ações do Bank of America ganharam 15,70% (US$ 35) e as do JP Morgan subiram 13,90% (US$ 46,70). Os papéis do Citigroup avançaram 15,55% (US$ 20,51), enquanto os papéis do Washignton Mutual, cujos ativos foram adquiridos pelo JP, fecharam com valorização de 141,18%.

Destaque também o setor de tecnologia, que ganhou impulso com as ações da Microsoft que subiram 6,72% (US$ 26,69) após a Merrill Lynch recomendar a compra das ações da gigante. As ações da Apple subiram 8% (US$ 113,66) depois de terem tombado 18% ontem. Os papéis da farmacêutica Schering-Plough ganharam 5,5% (US$ 18,47) os da Office Depot subiram 2,5% (US$ 5,82)
(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG