Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de NY acentuam queda após dado de crédito

Os principais índices do mercado de ações dos EUA operam em baixa, acentuando as perdas após a divulgação de um relatório do Federal Reserve que mostrou um declínio maior que o esperado no crédito ao consumidor norte-americano. Também pesavam sobre o mercado os receios dos investidores com a dívida grega e os comentários do presidente do Federal Reserve de Kansas City, Thomas Hoenig, sobre a possibilidade de aumento na taxa básica de juro do país.

AE |

Os principais índices do mercado de ações dos EUA operam em baixa, acentuando as perdas após a divulgação de um relatório do Federal Reserve que mostrou um declínio maior que o esperado no crédito ao consumidor norte-americano. Também pesavam sobre o mercado os receios dos investidores com a dívida grega e os comentários do presidente do Federal Reserve de Kansas City, Thomas Hoenig, sobre a possibilidade de aumento na taxa básica de juro do país.<p><p>Segundo ele, o Fed poderia elevar os juros para 1% como forma de se proteger da inflação e de possíveis bolhas no mercado financeiro sem prejudicar a incipiente recuperação econômica dos EUA. Ele acrescentou que "o atual estado da economia garante uma política monetária acomodatícia", mas, conforme houver melhora, "surgirão riscos relacionados à manutenção dos juros baixos por um período prolongado". <p><p>Às 16h56 (de Brasília), o Dow Jones caía 0,76%, para 10.887 pontos, o Nasdaq perdia 0,30%, para 2.429 pontos, e o S&P 500 tinha queda de 0,63%, para 1.181 pontos.<p><p>Dados do Federal Reserve mostraram que o crédito ao consumidor dos EUA encolheu US$ 11,5 bilhões em fevereiro, para US$ 2,448 trilhões, após um breve aumento em janeiro. Economistas consultados pela Dow Jones esperavam um declínio de US$ 1 bilhão. O indicador sinaliza que os norte-americanos ainda estão evitando se endividar para consumir.<p><p>Além disso, o governo grego anunciou que o déficit orçamentário do país em 2009 provavelmente foi levemente maior do que o originalmente estimado. O dado oficial só deve ser divulgado no final de abril, mas a notícia gerou nervosismo, principalmente no mercado de câmbio, onde o euro recuava para US$ 1,3352, de US$ 1,3406 na terça-feira. As informações são da Dow Jones.
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG