Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de NY abrem pregão em alta; GM sobe 13%

Os índices futuros das Bolsas de Nova York operaram em alta pela manhã e indicaram abertura positiva do pregão regular, em um dia que deve ter poucos negócios. O baixo volume favorece volatilidade e oscilações mais bruscas, e os investidores podem tentar mais um curto rali para recuperar ao menos parte das perdas registradas ao longo do ano.

Agência Estado |

Às 12h33, o índice Dow Jones avançava 0,48% a 8.509 pontos. O Nasdaq seguia a mesma direção, com ganho de 0,27% a 1.528 pontos. O S&P 500 subia 0,85% a 872 pontos.

A General Motors subiu no pré-mercado, na esteira da decisão do Federal Reserve (Fed, banco central americano) de aprovar o pedido da unidade GMAC de se tornar holding bancária. O fraco noticiário do dia, porém, trouxe uma informação negativa para o setor de varejo, com queda nos gastos dos consumidores em dezembro. Não há indicadores econômicos previstos hoje nos EUA. Na quarta-feira, véspera de Natal, as Bolsas de Nova York fecharam em alta.

As ações da General Motors ganhavam 13% no pré-mercado. Agora que a unidade financeira da montadora, a GMAC, virou holding bancária, poderá ter direito a parte dos recursos do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp), de US$ 700 bilhões do governo, além de poder acessar a janela de redesconto do Fed.

Dados divulgados hoje pela consultoria SpendingPulse, da MasterCard, mostraram queda de 8% nas vendas em dezembro até a véspera do Natal em comparação ao ano passado, seguindo-se a retração de 5,5% novembro. Excluindo as vendas de gasolina, a retração foi menor, de 4% em dezembro e 2,5% em novembro. Uma desaceleração de 40% nos preços da gasolina em relação ao mesmo período do ano passado contribuiu para a queda nas vendas totais.

O petróleo opera em alta de mais de 2%, em meio à expectativa de que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) irão cumprir a decisão de cortar a produção. Ontem, os Emirados Árabes Unidos disseram que irão reduzir as exportações de petróleo em até 15% em fevereiro. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG