Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de NY abrem em baixa com setor de hipotecas

Não houve trégua na abertura da última sessão da semana das Bolsas de Nova York, as quais, além de lidarem com a alta recorde dos preços do petróleo, terão de repercutir o movimento dos investidores que se preparam para o verdadeiro início de uma das mais temidas temporadas de balanços dos Estados Unidos. Às 10h45 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 1,46%, o Nasdaq-100 recuava 1,52% e o S&P 500 caía 1,33%.

Agência Estado |

Com a economia norte-americana em desaceleração e o setor financeiro seriamente fragmentado, há grande temor sobre os números que as companhias não só financeiras, mas de outros segmentos da economia, irão apresentar em seus balanços. No entanto, hoje as agências hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac, além da nova escalada do petróleo, é que devem puxar a queda dos índices acionários em Wall Street.

As ações da Fannie Mae despencaram mais 50% no pré-mercado em Nova York e as da Freddie Mac cederam outros 43%, depois de fecharem ontem em queda de 13,78% e 22,03%, respectivamente. Na quarta-feira, as ações do Freddie Mac despencaram 23,77% e as da Fannie Mae caíram 13,11%. A queda das ações de ambas agências pode criar pânico, mas o mercado espera que o governo Bush anuncie um plano de contingência e assuma uma ou as duas agências ou atue como interventor legal, informou hoje o jornal norte-americano The New York Times, citando pessoas próximas ao plano.

Autoridades do governo procuram reassegurar os investidores sobre a saúde financeira das agências, mas há pressão para que elas levantem capital para compensar o declínio do valor dos empréstimos residenciais que elas detêm. O forte declínio das ações levantou debate em Wall Street sobre se as agências precisarão de uma grande injeção de recursos e possivelmente de ajuda do governo.

Petróleo

Os contratos futuros do petróleo, negociados em Londres e em Nova York, renovaram os preços recordes, diante de um cenário de oferta ainda preocupante. Na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês), o contrato futuro do petróleo tipo WTI atingiu a máxima a US$ 147,27 o barril. Em Londres, o contrato futuro com mesmo vencimento do petróleo tipo Brent também renovou o preço recorde, chegando a US$ 147,50 o barril. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG