Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de NY abrem em baixa, à espera de Fed

As Bolsas de Nova York abriram o pregão de hoje em baixa, apesar da queda dos preços do petróleo, com investidores em compasso de espera para a reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) amanhã. A expectativa do mercado é de que o Fed mantenha o juro básico do país em 2% ao ano, mesma decisão anunciada na última reunião, ocorrida em junho, quando a autoridade monetária interrompeu uma seqüência de sete reduções consecutivas na taxa básica de juros.

Agência Estado |

Às 10h45 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,38%, o Nasdaq 100 recuava 0,56% e o S&P 500 cedia 0,48%. No mesmo horário, o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em setembro tinha baixa de 0,9% a US$ 123,96 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

Entre os indicadores mais importantes anunciados hoje, foi informando que a renda pessoal nos Estados Unidos subiu 0,1% em junho, taxa sazonalmente ajustada, no menor aumento desde abril de 2007, informou hoje o Departamento de Comércio americano. Os gastos com consumo avançaram 0,6% em junho. Economistas esperavam queda de 0,3% na renda pessoal e aumento de 0,5% nos gastos. O índice de preços de gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) subiu 0,8% em junho em relação a maio e avançou 4,1% em comparação a junho do ano passado. O núcleo do índice de preços PCE avançou 0,3% em junho frente a maio e 2,3% em relação a junho do ano passado.

A agenda do dia inclui ainda o relatório de encomendas à indústria em junho, embora o mercado pareça estar mais concentrado na reunião do Fed e na possibilidade de o comunicado junto com a decisão sinalizar se a autoridade monetária está mais preocupada com a inflação ou com o crescimento.

Ações

No âmbito financeiro, as preocupações com o desempenho dos bancos continuam, depois de o conglomerado financeiro HSBC ter anunciado queda de 29% no lucro líquido do primeiro semestre deste ano, para US$ 7,72 bilhões, devido a encargos com ajustes em empréstimos e à fraqueza nas operações de varejo nos Estados Unidos. Já no lado econômico, um relatório divulgado hoje mostrou aumento na renda pessoal e nos gastos com consumo nos EUA em junho, ao mesmo tempo em que a inflação acelerou. As ações do HSBC caíram 2,3% no pré-mercado em Wall Street.

Entre outros destaques no setor corporativo, a siderúrgica ArcelorMittal teve alta de 1% no pré-mercado em Nova York com o anúncio de planos para construir uma usina siderúrgica de US$ 600 milhões no México. Separadamente, a Arcelor assinou um acordo para comprar uma usina de coque da Koppers em Monessen, na Pensilvânia, por US$ 160 milhões.

A Dish Network, segunda maior provedora de televisão por satélite dos EUA, atrás do DirecTV Group, anunciou aumento de 50% no lucro líquido do segundo trimestre, para US$ 335,9 milhões, mas também teve perda de assinantes. No pré-mercado em Nova York, as ações subiram 3,6%. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: wall street

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG