O declínio dos contratos futuros de petróleo no mercado internacional contribuiu para uma abertura em alta das Bolsas de Nova York hoje, na volta dos mercados em Wall Street após o feriado da última sexta-feira (dia 4 de julho). Após superar a marca de US$ 145 por barril na semana passada, em Nova York, a matéria-prima (commodity) reverte parte dos ganhos na manhã de hoje, com investidores embolsando os lucros recentes.

Além disso, a agenda fraca de indicadores econômicos também deve dar fôlego aos mercados acionários no início desta semana.

Às 10h32 (de Brasília), o índice Dow Jones crescia 0,33%, o Nasdaq-100 subia 0,88% e S&P 500 avançava 0,38%. No mesmo horário, o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em agosto cedia 2,82% a US$ 141,20 o barril, na sessão regular da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

A valorização das ações do setor de tecnologia, como mostrado pelo Nasdaq, também reflete alguma inversão de movimento, segundo analistas. Em boa parte deste ano, os investidores seguraram as ações do setor, acreditando que essas empresas tinham menos preocupações com o crédito. Mas, durante o recente movimento de vendas nas bolsas, o setor de tecnologia foi um dos mais prejudicados, parcialmente devido à forte exposição ao setor financeiro, que representa boa parte de sua receita.

Entre as grandes notícias, a cervejaria belgo-brasileira InBev elevou a pressão sobre os diretores da norte-americana Anheuser-Busch. A InBev fez uma solicitação de consentimento ao órgão regulador do mercado mobiliário dos EUA, Securities and Exchange Commission (SEC), para tentar remover cada membro do conselho da Anheuser, dona da marca de cerveja Budweiser.

As ações da gigante de telefonia canadense BCE subiram 12% no pré-mercado em Wall Street, depois que um grupo de bancos e instituições de resgate ajudaram a salvar a aquisição de US$ 52 bilhões do Banco Central Europeu (BCE). O compromisso pode finalmente ajudar os bancos a começar novos compromissos de empréstimos a corporações.

Depois da queda devastadora na semana passada, as ações da montadora General Motors (GM) subiram 3% no pré-mercado em Nova York, com a notícia do jornal The Wall Street Journal de que a norte-americana se prepara para cortar mais milhares de empregos e considera se deve vender ou fechar mais unidades.

O conglomerado industrial General Electric (GE) avançou 1% no pré-mercado em Wall Street, depois que a sua unidade NBC Universal e os parceiros financeiros Bain Capital e Blackstone Group formaram um acordo para comprar a Weather Channel e seus negócios relacionados. Segundo pessoas familiares ao acordo, o preço está em quase US$ 3,5 bilhões.

No setor financeiro, o banco Marshall & Ilsley perdeu 12% no pré-mercado em Wall Street. O banco previu prejuízo líquido no segundo trimestre deste ano devido ao aumento das provisões para perdas com empréstimos, uma vez que o mercado imobiliário continua em deterioração. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.