Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de Nova York sobem mais de 1% com ações de bancos e empresas aéreas

SÃO PAULO - Depois de reagir mal a alguns resultados corporativos, as bolsas de valores americanas foram recuperando terreno ao longo do dia e encerraram o pregão com alta superior a 1% em seus principais indicadores. O setor financeiro e a disparada das ações de aéreas com a queda das cotações do petróleo contribuíram para o movimento.

Valor Online |

O Dow Jones Industrial subiu 1,2%, aos 11.602,5 pontos. O Nasdaq Composite avançou 1,1%, aos 2.303,96 pontos. O S & P 500 ganhou 1,4% aos 1.277 pontos.

No setor financeiro, as ações do banco americano Wachovia saltaram 27,4%, apesar de a instituição ter anunciado prejuízo líquido de US$ 8,9 bilhões no segundo trimestre de 2008. A valorização se deveu às declarações do diretor-executivo, Robert Steel, de que o banco vai cortar US$ 2 bilhões em gastos até o fim de 2009 e não cogita vender ações para levantar capital.

Outros bancos também avançaram, com destaque para o Bank of America (+13,3%).

Os preços do petróleo recuaram mais de US$ 3 em Londres e Nova York, diante do fortalecimento do dólar no mercado internacional e do menor temor sobre o impacto da tempestade tropical Dolly nas refinarias do Golfo do México. Essa desvalorização teve impacto positivo sobre ações de varejistas, como Wal-Mart e Home Depot, que avançaram 3% e 3,6%, respectivamente.

As mais beneficiadas, contudo, foram as empresas aéreas. Mesmo apresentando prejuízos no segundo trimestre, ações dessas companhias dispararam hoje: a UAL, controladora da United Airlines, subiu 69%, a JetBlue ganhou 16% e a US Airways avançou 59%. Influenciou essa disparada o fato de a UAL ter anunciado uma linha de financiamento de US$ 1 bilhão e o plano de demitir 7 mil pessoas.

Empresas que soltaram balanços decepcionantes entre ontem e hoje fecharam em queda. Foi o caso de Merck (-11,3%), Apple (-2,6%), American Express (-6,4%) e Texas Instruments (-14,6%), por exemplo.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG