Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas de Nova York fecham em baixa, puxadas pela Microsoft

SÃO PAULO - O setor bancário voltou a pressionar as bolsas de Nova York nesta jornada, que já vinham mostrando pessimismo com o resultado desanimador da Microsoft, bem como com a piora do cenário macroeconômico, com aumento dos pedidos de seguro-desemprego e a baixa na atividade de construção de novas casas no país. O movimento devolveu mais da metade dos ganhos auferidos ontem pelos índices e Wall Street.

Valor Online |

O Dow Jones fechou aos 8.122 pontos, com queda de 1,28%. O Standard & Poor's cedeu 1,52%, para 827 pontos. O eletrônico Nasdaq encerrou aos 1.465 pontos, com desvalorização de 2,76%
As ações da Microsoft tombaram 11,71% (US$ 17,11). Além de apresentar baixa de 11% no lucro do trimestre encerrado em dezembro e planejar demissão de 5 mil pessoas, a empresa disse que não fará projeções para o ano, dadas as condições econômicas e o impacto delas sobre o consumo de softwares.

Analistas de mercado estão prevendo agora uma média de 28% de queda nos lucros das empresas no último trimestre de 2008, o que não melhora muito o ânimo dos investidores para comprar ações.

Voltaram a trabalhar no vermelho as ações do Citigroup, que caíram 15,26% (US$ 3,11) e as do Bank of America, que cederam 14,52% (US$ 5,71). O ex-executivo-chefe do Merrill Lynch John Thain pediu demissão hoje do Bank of America (BofA).

Após a fusão dos bancos, ele chefiava atualmente a divisão global de banco de investimento da instituição. A saída de Thain da equipe teria sido motivada pela perda de confiança por parte do CEO do BofA, Kenneth Lewis, após divulgado o montante de perdas do Merrill Lynch no último trimestre.

Também fecharam com retração as ações do Ebay , que fecharam valendo US$ 11,67, com recuo de 12,12%. A empresa informou que prevê ganho de US$ 0,34 por ação no primeiro trimestre deste ano, ante previsões de US$ 0,39 feitas pelo mercado.

O resultado ruim da Nokia, que informou baixa de 69% no lucro do quarto trimestre, acabou influenciando os papéis da Motorola, que encerraram com perda de 1,77% (US$ 4,43).

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG