Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas da Europa sobem com siderúrgicas e petrolíferas

As principais bolsas européias operam em alta na manhã desta quinta-feira, mesmo após dados mostrarem que a desaceleração econômica na região foi forte no segundo trimestre deste ano. O avanço nos mercados é liderado pelas petrolíferas, mineradoras e siderúrgicas.

Agência Estado |

Dados divulgados hoje não aliviaram as preocupações do mercado sobre o desempenho econômico da zona do euro (15 países europeus que compartilham a moeda), que registrou a primeira contração desde 1995, e alimentaram perspectivas de um corte de juros em algum momento. As economias da França e da Alemanha registraram contração no segundo trimestre, mostrando que a atividade européia não se descolou da desaceleração nos Estados Unidos.

Por volta das 8h50 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 1,11%, a de Paris tinha alta de 0,9% e o mercado em Frankfurt avançava 0,46%. No mesmo horário, o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em setembro caía 0,16% a US$ 115,81 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

Ações

No noticiário corporativo, a ThyssenKrupp elevou sua projeção para o ano fiscal 2008 e espera um lucro antes de impostos e itens de mais de 3,2 bilhões de euros no período. O lucro no trimestre encerrado em 30 de junho foi de 573 milhões de euros, ante 729 milhões de euros um ano antes e expectativa de analistas de 571 milhões de euros. A empresa, que fabrica produtos de aço, como elevadores, também informou que está ampliando seu investimento em uma nova siderúrgica no Brasil para 4,5 bilhões de euros.

Ainda no setor de siderurgia, as ações da Salzgitter subiam 1,7% depois que a empresa também elevou sua projeção para o ano fiscal, para lucro antes de impostos de mais de 1 bilhão de euros. O lucro líquido do primeiro semestre subiu 9,6%, para 436,9 milhões de euros, acima do esperado por analistas.

No setor petrolífero, as ações da Royal Dutch Shell saltavam 2,4%, os papéis da produtora de gás natural BG Group avançavam 3,1% e a mineradora BHP Billiton tinha alta de 4,6%.

Já as ações da cervejaria belgo-brasileira Inbev registravam queda de 0,95%. A empresa anunciou alta de 8,6% no seu lucro líquido durante o segundo trimestre, para 542 milhões de euros (US$ 807 milhões), com ajuda das fortes vendas no Brasil. O resultado superou as estimativas dos analistas de um lucro de 490 milhões de euros. Por outro lado, o volume total de vendas cresceu 0,7%, abaixo das estimativas de uma alta de 2%. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG