As principais bolsas européias fecharam em alta, impulsionadas pela atividade de fusão e aquisição envolvendo grandes empresas, como o acordo de US$ 52 bilhões entre a InBev e a Anheuser-Busch. Em Londres, o índice FT-100 subiu 0,74% e fechou com 5.

300,4 pontos; em Paris, o índice CAC-40 avançou 1,02% e fechou com 4.142,53 pontos; em Frankfurt, o índice Xetra-Dax subiu 0,76% e encerrou o dia com 6.200,25 pontos.

No que se imaginava que seria um fraco ano para fusões e aquisições por causa das preocupações relacionadas a financiamento, esta semana começou com um fluxo de especulações de oferta em vários setores. Barry Norris, sócio da Argonaut Capital, que administra cerca de US$ 2 bilhões em ativos europeus, disse: "Esperamos que a atividade de fusão e aquisição se acelere no segundo semestre do ano. O principal motivo para isto é que a diretoria das empresas no geral está menos pessimista do que os investidores e alguns deles (diretores) estão de fato bastante otimistas". "Além disso, fora do setor financeiro, os balanços gerais estão de fato extremamente fortes, portanto, as companhias têm dinheiro para gastar. Os valores estão atraentes para os investidores com horizontes de longo prazo", acrescentou.

A saga InBev/Anheuser-Busch terminou com a cervejaria norte-americana finalmente aceitando a oferta US$ 52 bilhões para ser adquirida pela rival belgo-brasileira. O acordo cria a maior cervejaria do mundo e um dos cinco maiores grupos de produtos de consumo no mundo. A InBev elevou sua oferta de US$ 65 para US$ 70 por ação e vai absorver esse aumento no preço com corte de custos para ajustar pelo menos US$ 1,5 bilhão até 2011. As ações da InBev caíram 3,37% na Bolsa de Bruxelas.

Em outro acordo de potencial importância para a Europa, as ações da companhia de entrega expressa holandesa TNT dispararam 26,42% em reação aos informes de que a norte-americana FedEx está interessada em comprar a empresa. Contudo, as especulações de que a FedEx está interessada em sua pequena contraparte européia tem sido comum há muitos anos. Nenhuma das empresas comentou a questão.

Bancos

O setor bancário em geral registrou ganhos na Europa, impulsionado pelas notícias dos EUA de que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) e o Tesouro do país vão oferecer uma nova linha de crédito às financeiras hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac. Em Paris, as ações do Société Générale subiram 1,60%, enquanto as do Crédit Agricole avançaram 2,51%. Contudo, os operadores alertaram que tal sustentação poderá ser breve, uma vez que a ajuda do Fed apenas confirma que o mercado ainda está à mercê do aperto no crédito.

Os bancos ganharam impulso adicional depois que o espanhol Santander confirmou um acordo para adquirir todas as ações do britânico Alliance & Leicester por 1,3 bilhão de libras. A problemática financeira, que perdeu 50% do seu valor até agora este ano, dispararam quase 53%. O banco espanhol iniciou sua presença no Reino Unido em 2004, com a aquisição do Abbey. O Santander atualmente tem a maior rede de varejo de bancos do mundo, com cerca de 14 mil agências na Espanha, Portugal, América Latina e Reino Unido. Em Madri, as ações do Santander fecharam em alta marginal de 0,09%.

Matérias-primas

No setor de matérias-primas, as ações da Kazakhmys fecharam em alta de 6,17% na Bolsa de Londres, depois de terem atingido disparado 10% na máxima do dia, em reação às notícias de que estaria em negociações de fusão com a companhia de metais russa Metalloinvest. Os analistas disseram que a fusão é inteiramente plausível, mas qualquer acordo terá de satisfazer ambos os maiores acionistas, Vladimir Kim e o governo do Cazaquistão. Norris, da Argonaut Capital, vê os setores de mineração e siderurgia como prontos para uma atividade de fusão e aquisição, uma vez que essas empresas estão ricas em dinheiro.

Outras bolsas

Em Milão, o índice S&P/MIB subiu 0,26% e fechou com 27.748 pontos; em Madri, o índice Ibex-35 avançou 0,52%, para 11.443,00 pontos. Em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 1,55% e terminou o pregão com 8.325,44 pontos. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.