Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas da Europa fecham em alta com mineradoras

As bolsas européias terminaram o dia em alta, impulsionadas pelo setor de mineração, diante da oferta não solicitada da mineradora anglo-suíça Xstrata pela produtora de platina Lonmin. O resultado positivo do banco francês BNP Paribas no segundo trimestre e a queda do petróleo também deram motivos para investidores comprarem ações, um dia antes de Banco Central Europeu e Banco da Inglaterra anunciarem suas respectivas decisões de juro.

Agência Estado |

A Bolsa de Londres terminou o dia com alta de 0,58%, em 5.486,10 pontos. A Bolsa de Paris subiu 1,41% e fechou em 4.448,33 pontos. A Bolsa de Frankfurt avançou 0,65% e encerrou com 6.561,39 pontos.

As ações da Lonmin dispararam 47,7%, para 34,26 libras. A Xstrata ofereceu 5 bilhões de libras esterlinas (US$ 10 bilhões), ou 33 libras por ação, pela terceira maior produtora primária no mundo de platina. Os papéis da Xstrata caíram 1%.

Outras mineradoras seguiram na esteira e fecharam em alta, com Rio Tinto e BHP Billiton subindo 2,4% cada. A recuperação nos preços da platina, cuja queda recente vinha ajudando a derrubar outras metais nos últimos dias, também contribuiu para animar as compras de papéis de mineradoras.

Perto do fim do pregão, o mercado ganhou impulso com o declínio do petróleo, em reação aos dados de estoques do produto nos EUA. Os papéis da companhia aérea Air France-KLM, que anunciou nesta semana queda de 59% no lucro por conta dos preços elevados de petróleo, terminaram o dia com valorização de 2,8%.

No setor financeiro, as ações do BNP Paribas subiram 5,2% com o anúncio de que o lucro líquido no segundo trimestre caiu 34% para 1,51 bilhão de euros, ante 2,28 bilhões de euros no ano anterior, acima dos 1,44 bilhão de euros esperados por analistas. O BNP também procurou aliviar os receios de investidores ao afirmar que não vê necessidade de levantar capital novo.

Na praça acionária da Alemanha, pesou um pouco a divulgação de queda de 2,9% nas encomendas à indústria do país em junho ante maio, quando o mercado esperava aumento de 0,5%. "Isso é ruim do ponto de vista de encomendas, é ruim do ponto de vista do sentimento do consumidor e é ruim para a construção", comentou Heino Ruland, estrategista da consultoria FrankfurtFinanz. Para ele, o BCE não deve estimular a economia com um corte de juro amanhã. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG