Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas da Europa caem com bancos

As principais bolsas européias operam em baixa esta manhã, pressionadas pelo setor financeiro, com o banco alemão Commerzbank liderando as perdas, depois de confirmar a aquisição do Dresdner Bank, pertencente a seguradora alemã Allianz SE, a maior da Europa em capitalização de mercado. Em Londres, as ações caíam com os comentários do ministro das Finanças do Reino Unido, Alistair Darling, de que a perspectiva para a economia britânica pode ser considerada a pior dos últimos 60 anos.

Agência Estado |

Entretanto, a retração do petróleo ajudava a manter os índices acima das mínimas.

Às 9h18 (de Brasília), a Bolsa de Frankfurt recuava 0,21%, a de Paris cedia 0,23% e a de Londres caía 0,64%. No mesmo horário, as ações do Commerzbank caíam 9%.

Segundo analistas, a aquisição do Dresdner Bank não foi uma surpresa, já que a operação de fusão do segundo (Commerzbank) e do terceiro (Dresdner) maiores bancos da Alemanha era bastante comentada recentemente. Mas analistas disseram que o preço acertado pelo Commerzbank foi elevado. O Commerzbank irá pagar pelo menos 8,8 bilhões de euros (US$ 12,87 bilhões), mais até 975 milhões de euros, dependendo do desempenho dos títulos lastreados por ativos do Dresdner. Pelos termos do acordo, o Commerzbank garante os primeiros 275 milhões de euros em perdas obtidos neste grupo de títulos, e então o Allianz responde pelos restante de perdas sobre os 975 milhões de euros de tais títulos.

Fora do setor financeiro, as montadoras figuravam entre os segmentos beneficiados pela queda do petróleo - Daimler subia 1%. No horário citado acima, o contrato futuro do petróleo tipo WTI com vencimento em outubro caía 1,34% a US$ 113,91 o barril, na sessão eletrônica da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).

Já os papéis da Gdf Suez subiram 2,3%, após a companhia de energia franco-belga anunciar aumento de 14% em seu lucro líquido do primeiro semestre deste ano para 3,38 bilhões de euros, graças à elevação nos preços de energia. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG