Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas da Europa avançam apesar da recessão alemã

As principais bolsas européias terminaram em alta, com exceção da bolsa londrina, impulsionadas por fatores locais, apesar da pressão generalizada sobre os mercados provocada pela previsão da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) de uma retração nas economias dos EUA, do Japão e da zona do euro no último trimestre de 2008 e nos primeiros trimestres de 2009. A previsão pessimista da OCDE foi confirmada pela Alemanha, principal economia da zona do euro, que entrou oficialmente em recessão após divulgar uma contração no PIB por dois trimestres consecutivos.

Agência Estado |

A economia do país foi prejudicada pela queda nas exportações, reflexo do desaquecimento na atividade econômica mundial devido parcialmente ao colapso dos mercados financeiros.

"Os mercados de ações vão continuar sob pressão", disse Henk Potts, estrategista da Barclays Wealth, comentando sobre a volatilidade dos índices durante a sessão. "Não há surpresa no receio dos investidores, levando em consideração que eles continuam sendo atacados por dados econômicos desapontadores e previsões de queda no crescimento", afirmou.

Os setores bancário e financeiro tiveram um desempenho ruim, pressionados pela confusão em relação ao Programa de Aquisição de Ativos Problemáticos (Tarp, em inglês) dos EUA. Ontem, o secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, disse que a compra de ativos podres com dinheiro público - proposta fundadora do Tarp - não é a melhor alternativa para os recursos do programa.

Londres

Em Londres, o índice FTSE 100 terminou em queda de 12,81 pontos, ou 0,31%, para 4.169,21 pontos. As ações de mineradoras de metais preciosos recuaram, influenciadas pelo declínio nos preços dos metais. A Fresnillo recuou 13,31% e a Lonmin 6,39%. Os bancos mostraram fraqueza novamente, com o HBOS caindo 7,02% e o Barclays, 6,24%.

Frankfurt

O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, subiu 28,72 pontos, ou 0,6%, para 4.649,52 pontos. A Siemens avançou 4,67% após divulgar que as encomendas no quarto trimestre subiram e também por confirmar as perspectivas para o ano fiscal 2009. As ações de montadoras também tiveram um bom desempenho. A BMW ganhou 6,63%, a Volkswagen, 2,49% e a Daimler, 2,04%. Por outro lado, a Zurich Financial Services recuou 0,3% após anunciar uma queda de 89,98% no lucro líquido do terceiro trimestre e interromper temporariamente o programa de recompra de ações.

Paris

Em Paris, o índice CAC-40 registrou alta de 35,50 pontos, ou 1,1%, para 3.269,46 pontos, impulsionado pela força de ações defensivas e ligadas a empresas petroleiras, segundo um operador. A Total subiu 3,08% e a France Telecom, 2,75%. Entre os bancos, Société Générale perdeu 6,10%, Credit Agricole, 3,59% e BNP Paribas ganhou 0,94%.

Madri

O índice Ibex-35, da Bolsa de Madri, avançou 93,80 pontos, ou 1,08%, para 8.740,6, puxado por empresas como Santander e Repsol. O Santander teve alta de 4,42% e a Repsol, de 1,26%. A Telefónica subiu 1,59%, com investidores aguardando os resultados do terceiro trimestre, que devem ser divulgados antes da abertura do mercado na sexta-feira. A FCC teve o pior desempenho da sessão e encerrou em baixa de 3,69%. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG