Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas da Ásia sobem à espera de plano dos EUA

A maioria dos mercados asiáticos terminou os pregões no território positivo, da mesma forma que na sexta-feira - as exceções foram Seul, Jacarta e Cingapura. As variáveis pouco mudaram: os bons resultados em Wall Street e a expectativa sobre o plano de resgate do sistema financeiro dos Estados Unidos, a ser votado esta semana pelo Senado norte-americano, estimularam os investidores.

Agência Estado |

A alta das commodities também alavancou determinados setores. Não houve negociações na Malásia e em Tailândia por ser feriado.

Os papéis de empresas chinesas produtoras de metais e de energia se valorizaram, com esperanças de que irão se beneficiar do plano de estímulo econômico de Pequim. Este movimento levou a Bolsa de Hong Kong a fechar em forte alta. O índice Hang Seng subiu 114,02 pontos, ou 0,8%, e encerrou aos 13.769,06 pontos.

A alta nas ações de mineradoras de metais e de estaleiros, com as esperanças de que o plano de estímulo de Pequim irá levar à valorização de algumas commodities, ajudou as Bolsas da China a atingir a maior alta em mais de quatro meses. O índice Xangai Composto avançou 2% e encerrou aos 2.224,71 pontos, no melhor fechamento desde 26 de setembro. Já o Shenzhen Composto ganhou 3,5% e terminou aos 696,33 pontos.

A pouca variação na taxa de paridade central dólar-yuan levou a moeda chinesa a não apresentar grandes mudanças em relação à unidade norte-americana. Para os dealers, o banco central chinês irá manter o yuan estável pelo menos até depois do encontro anual do Congresso Nacional do Povo, em março. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,8338 yuans, de 6,8344 yuans do fechamento de sexta-feira.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou novamente no maior nível em mais de três semanas, liderada pelos papéis do setor tecnológico e os ganhos em Wall Street. A alta só não foi maior porque houve realização de lucros após o Taiwan Weighted superar os 4.500 pontos. O índice subiu 0,5% e terminou aos 4.494,59 pontos, a melhor pontuação desde 14 de janeiro.

Na Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, a realização de lucros com ações de tecnologia e de montadoras superou os ganhos decorrentes do bom desempenho de Wall Street. O índice Kospi, que havia subido pela manhã, recuou 0,6% e fechou aos 1.202,69 pontos.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou em alta graças à influência do desempenho das bolsas de Nova York e da Bolsa de Metais de Londres. Os ganhos com ações dos setores de matérias-primas, bancos e imobiliárias superaram as perdas com seguradoras e empresas de bens de consumo. O índice S&P/ASX 200 avançou 1,1% e fechou aos 3.508,6 pontos.

O índice PSE da Bolsa de Manila, nas Filipinas, terminou com alta de 0,8%, aos 1.958,14 pontos.

A Bolsa de Cingapura encerrou em queda, anulando os ganhos da manhã, uma vez que os investidores ficaram apreensivos antes dos anúncios de lucros e à espera de notícias sobre o plano de estímulo econômico dos EUA. O índice Straits Times caiu 1,9% e fechou aos 1.682,34 pontos.

O mercado indonésio teve baixa por conta das quedas na maioria das demais bolsas asiáticas, uma vez que o recuo do Dow Jones Futuro inspirou realizações de lucros. O índice composto da Bolsa de Jacarta cedeu 0,6% e fechou aos 1.342,22 pontos. As informações são da Dow Jones

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG