Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas da Ásia caem com temor sobre agravamento de crise

Por Rafael Nam HONG KONG (Reuters) - As bolsas de valores da Ásia caíram nesta quinta-feira ao menor patamar do mês, na esteira das incertezas sobre o pacote de resgate do Tesouro norte-americano e dos sinais de que a crise financeira global está se aprofundando na Ásia.

Reuters |

O Mizuho Financial Group, do Japão, divulgou que planeja levantar capital, enquanto o Commonwealth Bank of Australia advertiu que espera um grande aumento nos empréstimos de difícil recuperação.

Os anúncios vêm num dia desanimador, que incluiu dados mostrando que a produção industrial da China despencou para o menor patamar em sete anos, e acompanham os sinais de alerta da Intel sobre receita e previsão pessimista da rede de varejo norte-americana Best Buy sobre seu lucro.

As ações asiáticas seguiram as quedas em Wall Street após o Tesouro norte-americano ter recuado na quarta-feira em usar o plano de resgate de 700 bilhões de dólares para comprar ativos podres de concessoras de empréstimo. O dinheiro deve ser usado para a aquisição de participações nos próprios bancos do país.

"Não há muita luz agora", disse Hiroaki Osakabe, administrador de fundos na Chibagin Asset Management no Japão. "Com tantas previsões pessimistas e a situação piorando nas nações em desenvolvimento, as coisas estão difíceis."

O índice MSCI de ações da Ásia excluindo o Japão caía 4,67 por cento, por volta das 8h11 (horário de Brasília), após ter chegado a atingir o menor patamar desde 30 de outubro.

No Japão, o índice Nikkei, da bolsa de valores de TÓQUIO, fechou em queda de 5,25 por cento, a 8.238 pontos.

Em HONG KONG, a bolsa local caiu 5,15 por cento.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 de SYDNEY teve desvalorização de 5,86 por cento.

Em TAIWAN, o índice acionário local fechou em queda de 3,85 por cento.

Na contramão, a bolsa de XANGAI encerrou a sessão com alta de 3,85 por cento.

SEUL recuou 3,15 por cento e CINGAPURA se desvalorizou 1,60 por cento.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG