SÃO PAULO - A maioria das bolsas da Ásia fechou em baixa nesta terça-feira, guiada principalmente por resultados corporativos. O clima negativo vem das empresas pressionadas com a queda dos preços das commodities e das exportadoras japonesas, que demonstram tensão com a valorização do iene.

Os mercados da região ficaram nervosos depois que a Alcoa, gigante do setor de alumínio divulgou um prejuízo líquido de US$ 1,2 bilhão no quarto trimestre, evidenciando os efeitos da fraca demanda global por metais.

A queda das commodities no mercado mundial fez as ações das empresas da região sofrer fortes perdas nesta sessão, com destaque para as ações da BHP Billiton, com queda de mais de 1,3%, e para os papéis da Rio Tinto, em baixa de 2,3% na bolsa de Sidney. E para a chinesa de metais Jiangxi Copper, que perdeu 7,1% em Xangai.

Com as ações das empresas eletrônicas não foi diferente. A Sony registrou queda de 8,9% depois que um jornal japonês disse que é possível que a companhia registre mais de 100 bilhões de ienes (aproximadamente US$ 1,12 bilhão) de prejuízo operacional neste ano fiscal .

Para completar a onde de pessimismo, a China divulgou uma queda de 2,8% no volume de exportações no mês de dezembro, como não se via há quase uma década. Em todo ano de 2008, as exportações do país cresceram 17,2%, abaixo dos 25,7% registrados em 2007.

O índice japonês Nikkei fechou em queda de 4,79% aos 8.413,91 pontos, enquanto o de Hong Kong, o Hang Seng, teve queda de 2,17%, encerrando o pregão aos 13.668,05 pontos. A baixa no Shanghai Composite chinês foi de 1,95%, aos 1.863,37 pontos. A exceção foi o Kospi, da Coréia do Sul, que fechou com valorização de 0,95%, fechando aos 1.167,71 pontos.

(Vanessa Dezem | Valor Online com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.