Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolsas asiáticas apresentam sinais diversos

Com os mercados dos EUA fechados ontem por causa do feriado do Dia do Trabalho, as Bolsas da Ásia se pautaram pela valorização do dólar, a retração nos preços do petróleo e fatores internos. Nesta terça-feira não houve uma tendência definida entre os principais mercados regionais.

Agência Estado |

A presença no final do pregão de investidores em busca de ofertas de ocasião em empresas defensivas, como a produtora de energia CLP e o gigante bancário HSBC, mais do que ofuscou o declínio na produtora de gás e petróleo Cnooc, ajudando a Bolsa de Hong Kong a fechar em alta. O índice Hang Seng subiu 136,15 pontos, ou 0,7%, e terminou aos 21.042,46 pontos.

As crescentes preocupações sobre a adoção, por parte de Pequim, de uma política de aperto monetário, com o objetivo de controlar a inflação e enxugar a liquidez do mercado, fizeram cair as ações do setor bancário. Com isso, as Bolsas da China apresentaram queda pelo segundo pregão consecutivo. O índice Xangai Composto caiu 0,9% e encerrou aos 2.304,89 pontos. Já o Shenzhen Composto perdeu 0,3% e terminou aos 635,49 pontos. Yuan - A demanda por dólar, após a moeda norte-americana se fortalecer em relação ao euro, fez o yuan se desvalorizar sobre a unidade dos EUA. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,8397 yuans, de 6,8256 yuans no fechamento de segunda-feira.

O declínio nos mercados regionais levou a Bolsa de Taipé, em Taiwan, a fechar em queda. Com volume de negociações acima da média, o índice Taiwan Weighted estendeu as perdas de 3,3% da véspera, caiu mais 1,7% e encerrou aos 6.699,82 pontos, o pior fechamento desde 15 de setembro de 2006. A Bolsa de Seul, na Coréia do Sul, fechou em ligeira baixa, depois de cair 4,1% ontem. O índice Kospi recuou 0,5%, ou 7,29 pontos, e terminou em 1.407,14 pontos, o menor nível de fechamento em quase 18 meses. A recompra de ações por parte das empresas sustentou a alta da Bolsa de Manila, nas Filipinas. O índice PSE Composto avançou 0,8% e encerrou aos 2.708,25 pontos, ultrapassando o nível de resistência dos 2.700 pontos. Na Austrália, a Bolsa de Sydney fechou praticamente estável. As ações de mineradoras e petrolíferas caíram, arrastadas pelo recuo no preço das commodities. Já o setor financeiro e outras ações sensíveis às taxas de juros se valorizaram depois que o banco central australiano reduziu as taxas, como esperado. O índice S&P/ASX 200 perdeu apenas 0,04%, ou 2,3 pontos, e terminou com 5.116,0 pontos.

A Bolsa de Cingapura mais que se recuperou das perdas de ontem e terminou em alta. Compras de ofertas do setor imobiliário também contribuíram para a alta. O índice Straits Times subiu 1,6% e fechou aos 2.758,94 pontos, mais alto nível desde 18 de agosto. Na Indonésia, o mercado recuou devido ao enfraquecimento da moeda e preocupações sobre o desenvolvimento regional. No entanto, procuras por barganhas em papéis de bancos ajudaram a reter a queda. O índice composto da Bolsa de Jacarta cedeu 0,3% e fechou aos 2.159,05 pontos. O mercado tailandês tombou com a decretação de estado de emergência na capital após violentos confronte entre grupos pró e contra o governo na noite passada. O índice SET da Bolsa de Bangcoc caiu 2,6% e fechou aos 657,60 pontos.O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, caiu 1,2% e fechou aos 1.086,99 pontos, devido a realizações de lucros em todos os setores uma vez que os investidores retiveram os ganhos do minirrali de sexta-feira. As informações são da Dow Jones

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG