Tamanho do texto

Um indicador melhor do que o esperado da atividade industrial nos EUA ajudou as ações em Nova York a se recuperarem da queda na abertura provocada em parte pelos dados sombrios sobre o mercado de trabalho divulgados mais cedo nesta quarta-feira. Às 12h52 (de Brasília), o índice Dow Jones subia 72 pontos ou 0,97%, para 7.

682 pontos. No início do dia, a queda do Dow Jones superou 125 pontos.

As ações entraram num rali no mês passado em meio à esperança de que a economia norte-americana esteja se estabilizando. Em março, o Dow Jones acumulou alta de 7,7%. O avanço encerrou um trimestre no qual o índice caiu 13,3% e tocou as mínimas só testadas há mais de 12 anos. O rali de março, que elevou as ações 20% a partir de suas mínimas, fez uma pausa nos últimos dias do trimestre quando o agravamento dos problemas das montadoras indicou que os desafios continuam. As ações da GM estavam há pouco em queda de 8%.

Nesta manhã, o relatório da Automatic Data Processing (ADP) projetou queda de 742 mil empregos no setor privado em março, pior do que o declínio de 650 mil previsto pela maioria dos economistas. O governo dos EUA divulgará seu relatório do emprego de março na sexta-feira.

Mas as ações eliminaram as perdas iniciais depois que o Instituto para a Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês) informou que o índice dos gerentes de compra sobre a atividade industrial nos EUA subiu para 36,3 em março, de 35,8 em fevereiro. As medidas de novas encomendas e emprego do relatório também subiram.

Um aumento de 2,1% nas vendas de residências pendentes em fevereiro também ajudou a virar as ações para cima. Outro relatório mostrou um declínio menor do que o esperado nos gastos com construção. Segundo o Departamento do Comércio, os gastos com construção nos EUA caíram pelo quinto mês consecutivo em fevereiro. Os gastos caíram 0,9%, para a taxa anual sazonalmente ajustada de US$ 967,52 bilhões, em relação ao mês anterior. Os analistas de Wall Street previam queda de 2% nos gastos.

Com a entrada no segundo trimestre de 2009, o timing de uma possível recuperação da economia dos EUA está no foco das preocupações dos investidores. Os últimos dados reforçaram a suspeita de muitos participantes do mercado, de que uma retomada das atividades não é iminente.

Os investidores também monitoram Londres, onde a cúpula do G-20 está começando. O presidente Barack Obama disse em entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, que vê muita "convergência" entre os líderes mundiais sobre questões regulatórias. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.