Tamanho do texto

Após o leve ajuste de baixa na última sexta-feira, a Bovespa voltou a registrar ganhos nesta sessão, impulsionada pelo anúncio da união dos bancos Itaú e Unibanco. A recuperação das ações da Vale e o comportamento relativamente tranqüilo das principais praças financeiras internacionais também ajudaram.

Assim, o Índice Bovespa começou a semana com alta de 2,66%, aos 38.249,44 pontos - depois de oscilar entre os 36.938 pontos (-0,86%) e os 38.545 pontos (+3,46%). O volume financeiro alcançou R$ 4,15 bilhões.

Após 15 meses de negociação sigilosa, conforme o fato relevante enviado ao mercado, os controladores do Itaú e do Unibanco assinaram hoje um contrato visando à unificação dos bancos, para formar o maior grupo financeiro privado do Hemisfério Sul. Em setembro, Itaú e Unibanco tinham, juntos, ativos de R$ 575,1 bilhões, um patrimônio líquido de cerca de R$ 51,7 bilhões e uma carteira de crédito combinada de R$ 225,3 bilhões. O lucro líquido somado dos dois bancos de janeiro a setembro deste ano foi de R$ 8,1 bilhões.

A notícia foi bem recebida. As ações das duas instituições dispararam. Itaú PN fechou em alta de 16,37% e Itaú ON subiu 2,35%. Unibanco PN aumentou 20,99%, Unibanco ON valorizou-se 121,13% e Unibanco Unit avançou 8,95%. Ainda Itaúsa PN valorizou-se 14,31% e ON ganhou 13,04%. Dentre estas, apenas Itaú PN, Unibanco Unit e Itaúsa fazem parte do Ibovespa, principal índice da Bolsa. Conforme o contrato de associação firmado entre os bancos, cada 1,1797 ON de Unibanco equivale a 1 ação ordinária de Itaú. Considerando-se os preços no fechamento de sexta-feira, a relação de troca embute prêmio de 162,5% em favor das ONs de Unibanco.

"O anúncio deu um ânimo novo no mercado. Demonstra que o sistema financeiro no Brasil está sólido e que as medidas tomadas pelo Banco Central são eficazes", disse o diretor de uma corretora em São Paulo.

As outras ações do setor bancário que integram o Ibovespa encerraram a sessão com comportamentos divergentes: Bradesco PN subiu 4,42% e Banco Nossa Caixa ON apreciou-se 8,76%, mas Banco do Brasil ON caiu 3,05%. De acordo com levantamento da Economática, a empresa resultante da fusão entre os bancos Itaú e Unibanco tem ativos superiores aos do Banco do Brasil. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que o BB "momentaneamente" perde a liderança do sistema financeiro nacional, mas terá chances de "correr atrás e se refazer".

Vale

Outro importante suporte para a alta do índice foi o comportamento das ações da Vale, após relatório do banco Goldman Sachs avaliar que os cortes de produção de minério de ferro anunciados pela mineradora na última sexta-feira ajudarão a reduzir as pressões negativas sobre o preço do minério de ferro em 2009. As medidas anunciadas pela empresa farão com que a queda de preço do minério se limite a cerca de 15% no ano que vem, prevê o banco, que estima que as ações da Vale estejam precificando uma queda de 30% no preço do minério em 2009. Vale PNA fechou em alta de 3,46% e Vale ON valorizou-se 2,15%.

Petrobras

As ações da Petrobras, empresa de maior peso no cálculo do Ibovespa, não colaboraram com a trajetória ascendente do índice. Diante da queda dos preços do petróleo no exterior, os papéis sucumbiram, encerrando em queda de 0,73% os PN e em declínio de 1,47% os ON.

Ranking

Ainda no Ibovespa, atrás de Itaú PN e Itaúsa PN, Lojas Renner ON (+11,40%), Cyrela ON (+11,32%) e Gafisa ON (9,11%) lideraram as altas. No outro extremo, entre as maiores quedas, Duratex PN caiu 6,02%, Telemar Norte Leste PNA recuou 4,02%, CCR ON perdeu 3,60%, Eletropaulo PNB declinou 3,49% e Eletrobrás PNB desvalorizou-se 3,38%.

Nova York

No exterior, as bolsas da Ásia e Europa registraram ganhos, mas, nos EUA, os índices acionários operavam sem tendência definida, em queda no momento em que a Bovespa fechou (a partir de hoje, as bolsas nos Estados Unidos encerram as operações às 19 horas). O Dow Jones registrava declínio de 0,39%. Os investidores em Wall Street optaram por cautela, preparando-se para mais uma semana com importantes indicadores econômicos e balanços corporativos, além do fim da corrida eleitoral para a Casa Branca.