Tamanho do texto

As Bolsas de Nova York tentam se manter em alta, depois de uma abertura negativa, ajudadas pelo avanço das ações de energia e pela procura por papéis que caíram muito nos últimos dias. Os contratos futuros de petróleo se recuperaram das perdas anteriores e passaram a subir por causa de especulações sobre um possível terceiro corte na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Às 13h26 (de Brasília), o índice Dow Jones cedia 0,05%, o Nasdaq subia 0,67% e o S&P 500 tinha alta de 0,07%.

No horário, o contrato para entrega de petróleo em fevereiro negociado na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) avançava 2,61%, a US$ 38,41 por barril, tendo caído à mínima de US$ 36,10 mais cedo. Na esteira, as ações da Exxon Mobil ganhavam 1,7% e as da Chevron subiam 1,75%.

O movimento de alta só não é acentuado porque ainda pesa o balanço negativo divulgado ontem à noite pela gigante produtora de alumínio Alcoa e os comentários de hoje do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, de que o momento da recuperação econômica é incerto.

A Alcoa anunciou prejuízo líquido de US$ 1,2 bilhão (US$ 1,49 por ação) no quarto trimestre, de um lucro de US$ 632 milhões (US$ 0,75 por ação) registrado em igual período de 2007. O resultado do último trimestre refletiu os pesados encargos com reestruturação para enfrentar a fraca demanda global por alumínio. As ações da empresa caíam 6,26%. As informações são da Dow Jones e de agências internacionais.