Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bolívia ainda acredita em ingresso no Mercosul sem sair da CAN

Brasília, 28 jul (EFE).- A Bolívia ainda acredita que poderá ingressar no Mercosul na qualidade de membro pleno sem a necessidade de abandonar a Comunidade Andina (CAN), disse hoje à Agência Efe o vice-ministro de Relações Econômicas e Comércio Exterior, Pablo Guzmán.

EFE |

"A Bolívia conseguirá ser a ponte entre o Mercosul e a CAN", afirmou Guzmán, que iniciou hoje uma visita ao Brasil para estudar a possibilidade de ampliar as exportações bolivianas para o país, que é o principal parceiro comercial da nação andina.

A CAN, que é integrada por Bolívia, Equador, Peru e Colômbia, "deu certa margem de flexibilidade" e o Governo de Evo Morales iniciou uma reforma tarifária que poderia facilitar o ingresso ao bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, assinalou o funcionário.

O ingresso da Bolívia no Mercosul foi solicitado há quase dois anos e desde então é analisado pelo bloco, como deseja La Paz, se é possível aprová-lo sem a necessidade de que esse país abandone a CAN.

Guzmán explicou que a CAN tem um "interesse estratégico" para a Bolívia, que atualmente participa "de forma ativa" das negociações do bloco andino para um acordo de livre-comércio com a União Européia (UE).

Sobre isso, disse que a quarta rodada de negociações com a UE será realizada em setembro, embora os países andinos devessem unificar previamente posições em torno do desenvolvimento sustentável e da propriedade intelectual, dois assuntos onde existiam "divergências" que foram superadas "em 95% ou 97%", apontou.

Em relação ao comércio com o Brasil, o principal destino do gás boliviano, Guzmán explicou que La Paz pretende analisar a demanda a fim de ampliar suas exportações em outras áreas além da energética.

Segundo o vice-ministro boliviano, dos US$ 3,254 bilhões que a Bolívia recebeu em 2007 por exportações, US$ 1,397 bilhão corresponderam às vendas ao Brasil, sendo que 97% dessa quantia era referente ao gás. EFE ed/bm/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG