SÃO PAULO - A Boeing confirmou que irá retomar as negociações com o sindicato que representa seus metalúrgicos para tentar chegar a um acordo e dar fim a uma greve que já entrou em seu segundo mês. Toda a produção de aeronaves foi suspensa por conta da paralisação, o que tem irritado empresas aéreas clientes que serão afetadas pelos atrasos nas entregas dos aviões adquiridos.

Segundo o sindicato, a greve já custou US$ 3,36 bilhões em vendas e lucro à fabricante de aviões.

"Mantivemos as linhas de comunicação abertas e concordamos em conduzir negociações adicionais com a participação de um mediador federal", afirmou o vice-presidente de Recursos Humanos da Boeing, Doug Kight. "Estamos interessados em analisar se há um caminho para resolver as divergências e para chegar a um acordo que terá de nos permitir continuar competitivos e oferecer a flexibilidade para administrar nossos negócios", acrescentou.

Um dos motivos fundamentais para a paralisação dos trabalhadores é sua insatisfação com a intenção da Boeing de manter aberta a porta para levar para fora dos EUA mais e mais etapas da produção de aviões, o que afetaria o número de trabalhadores no país.

Embora o canal de negociação tenha sido reaberto, ainda não foi marcada uma data para as próximas conversas entre empresa e sindicalistas. A paralisação teve início no último dia 6 de setembro.

(José Sergio Osse | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.