Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BNDES vê desafio em evitar a queda dos investimentos

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou hoje, no Senado, que o País precisa manter em pelo menos 10% a taxa de crescimento dos investimentos em 2009 para amenizar os efeitos da crise financeira internacional. Segundo Coutinho, será um desafio para o governo evitar que a atual taxa de formação bruta de capital fixo reflua dos atuais 16% para não menos que 10%.

Agência Estado |

Em palestra na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), o presidente do BNDES previu que a taxa de crescimento da economia em 2009 será "muito mais moderada" do que as registradas até recentemente - em torno de 6% -, mas, segundo ele, o Brasil tem condições de, na seqüência, retomar as condições de crescimento.

"Daí em diante, a economia brasileira pode sair fortalecida, porque tem um sistema financeiro forte e capitalizado, embora, neste momento, esteja adotando uma atitude de cautela. Tem um setor privado saudável e com capacidade de resistência e uma demanda doméstica preservada, além das políticas públicas pró-investimentos, que estão ativas e são eficazes", declarou Coutinho.

Ele disse ainda que a economia brasileira tem bons fundamentos para atravessar a atual crise, porque possui investimentos de alto retorno e baixo risco. "Os impactos da crise serão mitigados se o País mantiver taxas de crescimento do investimento de 10% ao ano", previu Coutinho."Se conseguirmos manter os investimentos nesse patamar, podemos fazer um piso mínimo para o crescimento da economia", completou.

Luciano Coutinho, durante palestra na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), no Senado, apresentou todas as linhas de financiamento oferecidas pelo banco, as quais, segundo ele, devem somar um desembolso de R$ 90 bilhões em 2008.

Ele destacou que o BNDES, por causa da escassez de crédito para as exportações, voltou a dar prioridade a linhas de exportação para pré-embarque. De janeiro a outubro, essas linhas somaram US$ 4,5 bilhões - 44,5% a mais do que em igual período de 2007. Coutinho destacou que, só em outubro, no auge da crise financeira internacional, o volume emprestado para exportação foi 115,2% superior à média registrada no período de janeiro a setembro de 2008.

Consultas

Coutinho informou que, apesar da crise, as consultas ao banco em busca de financiamento aumentaram. Segundo ele, de agosto a outubro (inclusive) deste ano, as consultas cresceram 40%, na comparação com igual período de 2007. Coutinho avaliou que esse aumento se deve a um deslocamento da demanda, que antes era atendida pelo mercado financeiro e que, com a crise, migrou para o BNDES.

Ele afirmou que o impulso positivo nos investimentos está sendo mantido. Na sua avaliação, os gastos do governo com investimento devem ser prioridade em relação a outras despesas. Ele informou que os recursos adicionais recebidos pelo BNDES em 2008 somaram R$ 58,8 bilhões. Nesse volume já estão incluídos os R$ 10 bilhões anunciados recentemente pelo governo para uma linha de capital de giro para projetos de investimento cuja operacionalização ainda está sendo discutida com o Banco Central e o Ministério da Fazenda.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG