Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BNDES: saída da crise global será difícil e lenta

O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou hoje que, provavelmente, a saída dessa crise será difícil e lenta, disse referindo-se ao contexto mundial, em palestra no Simpósio Internacional Perspectivas do Desenvolvimento para o Século 21, promovido pelo Centro Celso Furtado. A declaração de Coutinho contrasta com as declarações de que o pior da crise financeira internacional já passou, feitas pelos ministros da Fazenda, Guido Mantega, hoje, e do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior, Miguel Jorge, ontem.

Agência Estado |

Coutinho justificou que "os sistemas bancários internacionais operavam com níveis de alavancagem muito altos e terão que passar por processo de desalavancagem que tomará muito tempo e que poderá, no percurso, produzir outras dificuldades financeiras". Ele também disse que "estamos em um momento extraordinário em que as economias avançadas estarão mergulhadas em uma recessão cuja duração e intensidade ainda é difícil de avaliar". Segundo o executivo, a crise atual é "de grande envergadura, comparável talvez a dos anos 30 pelo seu potencial disruptivo de riqueza e de emprego".

Por outro lado, Coutinho observou que as economias em desenvolvimento têm mais peso no comércio e na liquidez internacional, algumas "com reservas muito expressivas" e mercados internos fortes e oportunidades no setor de infra-estrutura. "Estamos em uma situação inédita em que a periferia pode ajudar o centro, e não o contrário", afirmou.

Coutinho voltou a afirmar que a China, em primeiro lugar, e o Brasil, em segundo, são os dois países em melhores condições para enfrentar a crise. "A China teria que substituir rapidamente as fontes externas por fontes internas de crescimento", disse. No caso do Brasil, ele ressaltou que o sistema financeiro nacional é sólido, a economia tem bons fundamentos e vários investimentos em infra-estrutura "têm taxa de retorno tão altas, que mesmo que os juros subam muito, vão se concretizar". Junto com outros setores e "o que permanecerá viável de agronegócios", esses investimentos devem garantir que a economia brasileira continue crescendo.

O presidente do BNDES informou que há uma "determinação do governo de acelerar os investimentos em infra-estrutura, minorar os efeitos da crise e criar um piso de crescimento da economia brasileira".

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG