Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BNDES financiará R$ 1,2 bi para Brenco produzir etanol

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financiará R$ 1,2 bilhão de R$ 1,8 bilhão que a Companhia Brasileira de Energia Renovável (Brenco) está investindo para implantar o Pólo de Alto Taquari-Mineiros, de produção de etanol e energia elétrica. O Pólo terá quatro unidades de processamento de cana-de-açúcar e implantação da lavoura, nos municípios de Alto Taquari (MT), Costa Rica (MS) e Mineiros (GO).

Agência Estado |

As duas primeiras unidades vão começar a operar no ano que vem e as duas seguintes em 2010. Quando as quatro unidades estiverem funcionando, o Pólo terá capacidade instalada de moagem de 15 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra, poderá produzir até 1,4 milhão de metros cúbicos de etanol e poderá exportar até 220 megawatts de energia elétrica. Elas trabalharão durante a safra com três turnos, de oito horas cada um.

Os investimentos são destinados principalmente às áreas industrial, agrícola e de co-geração de energia, mas incluem também projetos ambientais e sociais, no entorno das unidades. "O empreendimento envolve a construção das unidades em áreas de nova fronteira da cana e com produção em larga escala", diz nota do BNDES. Uma parte dos recursos do financiamento será liberada diretamente do banco de desenvolvimento para a empresa e outra será repassada por intermédio de um pool de bancos. Segundo o banco estatal, os principais méritos do projeto são a aquisição de equipamentos nacionais, no montante de R$ 880 milhões, geração de 8,4 mil empregos diretos e mecanização de 100% da colheita.

Repasses para o setor

Os desembolsos do Banco para o setor sucroalcooleiro nos sete primeiros meses deste ano somaram R$ 2,7 bilhões e no ano passado foram de R$ 3,6 bilhões. As liberações no setor vêm crescendo. Em 2004 foram de apenas R$ 0,6 bilhão, passaram para R$ 1 bilhão em 2005 e dobraram em 2006, para R$ 2 bilhões. Etanol e energia elétrica são áreas prioritárias para o banco e o governo federal.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG