Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BNDES espera ajuda de bancos privados para normalizar fluxo de crédito

RIO - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, espera que os bancos privados retomem em breve o fluxo de crédito para o setor produtivo anterior à crise, de forma a desafogar a instituição de fomento. A gente espera que o setor privado possa reagir mais rapidamente e que nos dispense de ter que fazer esse esforço, disse Coutinho que participou do IV Encontro de Instituições Financeiras de Desenvolvimento da América Latina e Europa na sede do BNDES no Rio. De acordo com o executivo, o sistema bancário brasileiro não deveria contrair os créditos nos mesmos moldes do que aconteceu nos países desenvolvidos, uma vez que, segundo ele, os bancos brasileiros não têm os mesmos níveis de alavancagem das instituições internacionais. Então elas podem, e devem, voltar a emprestar, fazer com que o crédito flua normalmente, acrescentou. Coutinho ressaltou que, em função dessa contração do crédito privado, o BNDES registrou em outubro um desembolso firme para compensar a retração do crédito privado.

Valor Online |

Para Coutinho, o BNDES deverá fechar o ano com desembolsos superiores a R$ 85 bilhões. "O momento não era esperado e está nos cobrando uma maior atividade e possivelmente nós passaremos os R$ 85 bilhões."
Coutinho considerou positiva a fusão anunciada ontem entre os bancos Itaú e Unibanco. Para ele, o negócio mostra a confiança no futuro da economia brasileira. O casamento entre as instituições, no entanto, não foi considerado pelo executivo como relevante para desafogar os pedidos de financiamento para o BNDES. De acordo com ele, em geral, negociações desse porte levam de 12 meses a 18 meses até que haja uma integração operacional.

"A expectativa é de que, enquanto isso, as duas instituições e outros bancos brasileiros, com os estímulos dados pelo governo, voltem a oferecer crédito de maneira muito mais fluida do que aconteceu em outubro", afirmou.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG