Países da América Latina devem US$ 2,5 bi ao BNDES http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2008/12/01/bndes_nao_acredita_que_outros_paises_seguirao_equador_sobre_divida_3100536.html target=_topBNDES não acredita que outros países seguirão Equador sobre dívida" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BNDES destina R$ 6 bilhões para capital de giro de empresas

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) destinará R$ 6 bilhões para financiamento de capital de giro para empresas brasileiras. Batizada de Programa Especial de Crédito (PEC), a linha destinará até R$ 50 milhões por empresa, com limite de 20% da receita operacional bruta da companhia. http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2008/12/01/paises_da_america_latina_devem_us_25_bi_ao_bndes_3100502.html target=_topPaíses da América Latina devem US$ 2,5 bi ao BNDES http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2008/12/01/bndes_nao_acredita_que_outros_paises_seguirao_equador_sobre_divida_3100536.html target=_topBNDES não acredita que outros países seguirão Equador sobre dívida

Valor Online |

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, acredita que as empresas interessadas já poderão fazer os pedidos de verba a partir da semana que vem e que, para empresas com bom relacionamento com o banco de fomento, o dinheiro deverá estar disponível até 15 dias depois do pedido.

"O teto estabelecido visa ampliar e permitir que os recursos cheguem a pequenas e médias empresas. A linha foi criada porque as necessidades de financiamento se avolumaram", frisou Coutinho, acrescentando que o setor de construção civil, que já conta com linha de apoio de R$ 3 bilhões da Caixa Econômica Federal (CEF), não está incluído no programa.

Os financiamentos do PEC serão concedidos pelo BNDES de forma indireta, por meio de agentes credenciados pelo banco de fomento ou em operações diretas por meio de fiança bancária. As linhas terão taxa fixa de juro de até 20,05% ao ano, incluído o spread do agente financeiro de até 4% ao ano.

Em operações com micro, pequenas e médias empresas, as taxas serão de 19,15% ao ano. O prazo total de amortização dos financiamentos será de até 13 meses, com até cinco meses de carência.

Os recursos para o PEC fazem parte dos R$ 10 bilhões anunciados no mês passado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, para o banco de fomento, vindos de Caixa e Banco do Brasil. Os R$ 4 bilhões restantes serão destinados a empréstimos-ponte e operações de pré-embarque, como crédito para exportação.

Além do PEC, Coutinho revelou que o banco estuda desenvolver outras iniciativas para reduzir a escassez de recursos para pequenas e médias empresas. Entre elas, o executivo não descartou a possível constituição de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs).

No caso dos empréstimo-ponte, a contratação poderá ser feita diretamente no BNDES ou por meio das instituições financeiras credenciadas, com custo de 14,5% ao ano, mais remuneração básica do banco de fomento, acrescida a taxa de risco de crédito no caso das operações diretas. Nas operações indiretas, a taxa de 14,5% é acrescida da remuneração do BNDES, taxa de intermediação financeira e remuneração da instituição financeira credenciada.

"Algumas empresas que participaram do leilão das linhas de transmissão na semana passada já demonstraram interesse pelos empréstimos-ponte, assim com companhias que venceram leilões de concessões rodoviárias", destacou Coutinho.

Leia mais sobre: BNDES

Leia tudo sobre: bndes

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG