Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BM&FBovespa escala Pelé para popularizar bolsa

Lucro da empresa foi de R$ 305 milhões no segundo trimestre

Reuters |

 

A BM&FBovespa vai intensificar na semana que vem sua campanha de popularização da bolsa tendo Pelé como garoto-propaganda. Ao mesmo tempo, inicia as operações de alta frequência no mercado acionário para ampliar o volume de negócios.

A companhia também deve divulgar em breve uma nova política de tarifação nos dois segmentos de negócio --Bovespa e BM&F, enquanto finaliza os ajustes para dobrar a capacidade de transações em ambos até o final do ano.

"Temos um belíssimo 'driver' de crescimento", disse o presidente-executivo da companhia, Edemir Pinto, em teleconferência com jornalistas nesta sexta-fera sobre os resultados do segundo trimestre.

A terceira maior operadora de bolsas do mundo em valor de mercado divulgou na quinta-feira à noite que teve lucro líquido contábil de R$ 305,7 milhões no período, contra lucro de R$ 188,1 milhões um ano antes. O resultado ficou em linha com a média das estimativas de analistas obtidas pela Reuters, que apontava lucro de R$ 302,1 milhões.

O desempenho foi puxado pelo aumento de 54,2% do volume de negócios no segmento BM&F, que atingiu recorde, e de 28,2 % no mercado de ações.

Para o executivo, a retomada das bolsas, após as turbulências nas praças globais, e a estreia de novos produtos devem alavancar os volumes de negócios no mercado acionário.

Um deles são os BDRs não patrocinados, recibos de ações de companhias estrangeiras trazidos ao Brasil por bancos e que começam a ser negociados na bolsa paulista em setembro.

O outro é o acordo com a Chi-X-Global, que permitirá a investidores estrangeiros negociarem com ações brasileiras em moedas internacionais.

"Tem milhões de investidores pessoa física nos Estados Unidos, no Japão e na China. O potencial é enorme", disse.

As operações de alta frequência, que já acontecem na BM&F e começarão em setembro na Bovespa, terão uma política de preços com descontos progressivos, dependendo dos volumes.

Além disso, segundo o presidente da bolsa, com a expectativa de conclusão do processo de capitalização da Petrobras, várias empresas já estão se preparando para também abrir o capital.

BUSCA DE INVESTIDORES

De acordo com o presidente da BM&FBovespa, no mês passado o número de investidores pessoa física registrados na Bovespa chegou perto de 600 mil. A meta da companhia é elevar o número para cinco milhões no prazo de cinco anos.

A nova campanha publicitária com Pelé, com o tema "Quer ser sócio" e dentro da estratégia de ampliar o total de investidores pessoa física, vai explorar a trajetória esportiva do jogador para ilustrar a dinâmica do investimento em ações.

(Reportagem de Aluísio Alves; Edição de Cesar Bianconi)

 

Leia tudo sobre: NEGOCIOSEMPRESASBMFBOVESPApelé

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG