FBovespa lança índices por valor de mercado - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BM FBovespa lança índices por valor de mercado

A BM&FBovespa lançou hoje os primeiros índices segmentados pelo tamanho das empresas que os compõem. O MidLarge Cap (MLCX) medirá o retorno das companhias com maior capitalização, enquanto o Small Cap (SMLL) reunirá as ações com menor valor de mercado.

Agência Estado |

Com a novidade, a Bolsa vislumbra conquistar, além de fundos, investidores interessados em ampliar suas estratégias de investimento.

Trata-se do primeiro lançamento de produto após a união das Bolsas (BM&F e Bovespa), aprovada em abril deste ano. O último índice divulgado foi desenhado para o setor industrial (INDX), em 2006. O próximo, programado para sair ainda em 2008, será destinado ao ramo imobiliário. A expectativa depositada no índice Small Cap é grande. "Essa vai ser a vedete", acredita Murilo Robotton Filho, diretor-executivo de Produtos da BM&FBovespa.

Isso porque este indicador tende a se descolar do desempenho do Ibovespa, ao contrário do MidLarge, cuja composição é mais parecida com a do principal índice da Bolsa de Valores e, por isso, possui maior correlação. Além disso, o índice formado por empresas de menor capitalização tem um perfil mais diversificado, o que aumenta a chance de os investidor pulverizar riscos. "Esse é um grande atrativo para o público", observou Robotton Filho, em coletiva de imprensa realizada hoje para divulgar os índices.

O executivo diz que o Small Cap deve chamar atenção dos fundos de investimento focados a empresas com baixa capitalização, como sugere o nome do indicador. Em vez de montar uma carteira com várias ações, os fundos poderiam seguir como referência o próprio índice.

Regras

Os dois indicadores são apresentados ao mercado com 129 companhias no total, sendo que 71 estão dispostas no Small Cap. As carteiras são reavaliadas a cada quatro meses. Para eleger os papéis que vão compor os indicadores, faz-se, primeiro, uma avaliação pelo critério de capitalização. As companhias que representarem 85% do valor de mercado total da bolsa passam pelo primeiro filtro do MidLarge. As demais são candidatas ao índice Small Cap. Vale dizer que as empresas emissoras de Brazilian Depositary Receipts (BDRs), bem como aquelas em recuperação judicial ou com falência decretada, não podem participar da escolha.

A liquidez também pesa na classificação: é necessário que a ação esteja entre as mais negociadas nos últimos 12 meses. Ademais, estes ativos precisam ter sido transacionados em 100% dos pregões nos doze meses anteriores ao início de vigência da carteira, que nasce com uma base de 1.000 pontos para a data de 30 de abril de 2008. Empresas com menos de um ano de listagem também podem participar, mas têm um critério de inclusão diferente. Neste caso, são elegíveis aquelas com 100% de presença nos pregões dos últimos seis meses do período de análise.

Por fim, a BM&FBovespa considera, no cálculo do valor de mercado de cada ação, apenas a quantidade de papéis em circulação, o chamado free float. Isso significa dizer que ficam de fora da ponderação as ações de propriedade dos controladores e administradores da companhia, além daquelas mantidas em tesouraria e as ações preferenciais de classe especial.

Distribuição setorial

O setor de Materiais Básicos tem o maior peso no índice MidLarge Cap, com 28,2%, seguido de Petróleo, Gás e Bioenergia (25,9%) e Financeiro/Outros (25,1%). Depois, com ampla diferença, vem Utilidade pública (6,8%), Consumo Não Cíclico (5,1%, com destaque para Ambev PN, com 1,812% de participação), Telecomunicações (4,0%), Construção e Transportes (2,1%), Bens Industriais (1,7%) e Consumo Cíclico (1,2% - Net PN lidera esta categoria com 0,457%).

No caso do índice Small Cap, Construção e Transportes respondem por 23,3%, seguidos por Consumo Não Cíclico (12,5% - Dasa ON vem com o maior peso, de 3,552%), Financeiro/Outros (12,4%), Materiais Básicos (12,2%), Bens Industriais (11,2%), Consumo Cíclico (10,6%, sendo Lojas Renner ON a maior fatia, 6,409%), Telecomunicações (6,7%), Utilidade Pública (6,4%), Tecnologia da Informação (4,4%), Petróleo, Gás e Bioenergia (0,1%).

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG