Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Blue chips blindam Bovespa, que sobe 2,9% e opõe-se a NY

Por Aluísio Alves SÃO PAULO (Reuters) - O efeito da disparada dos preços do petróleo sobre os negócios com ações de empresas de commodities blindou a Bovespa do vaivém de Wall Street nesta sexta-feira, garantindo a primeira alta em cinco sessões.

Reuters |

O Ibovespa, índice com as 66 ações mais negociadas do mercado brasileiro, subiu 2,9 por cento, aos 41.673 pontos. Porém, fechou a semana com queda acumulada de 2,5 por cento.

Acompanhando o encolhimento do volume de negócios em Wall Street antes do final de semana prolongado, devido ao feriado do Dia dos Presidentes na segunda-feira, na bolsa paulista o pregão movimentou apenas 3,53 bilhões de reais.

A principal baliza para os negócios domésticos foi a disparada de mais de 11 por cento na cotação do barril do petróleo após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) anunciar que fará novos cortes de produção, ao revisar a projeção de queda na demanda em 2009 para um número três vezes superior ao projetado anteriormente.

"As commodities seguraram a Bovespa hoje", disse Ernesto Leme, diretor-executivo da Claritas Wealth Management.

Foi um prato cheio para os comprados, investidores que apostam na alta dos papéis no mercado de opções, que tem exercício na segunda-feira. Petrobras, referência da disputa no segmento, subiu 3 por cento, valendo 27,60 reais.

O movimento influenciou também os negócios com a outra blue chip doméstica, Vale, que também avançou 3 por cento, a 30,69 reais.

Outros setores que também vinham sendo bastante castigados, como o financeiro e o de siderurgia, tiveram um dia de forte recuperação.

RESULTADOS POSITIVOS

Para completar, os investidores da Bovespa também foram presenteados com resultados corporativos acima das expectativas de empresas.

A operadora de telefonia móvel Vivo agradou o mercado ao reportar lucro líquido de 215,5 milhões de reais no quarto trimestre do ano passado, um crescimento de 722 por cento, fazendo suas ações dispararem 5,2 por cento, a 36,72 reais.

A outra foi Redecard, com lucro líquido ajustado de 343 milhões de reais no trimestre, 53 por cento a mais na comparação anual, o que fez seus papéis engatarem ganho de 1,85 por cento, a 27,50 reais.

Essa combinação positiva conseguiu blindar o ânimo dos investidores da bolsa paulista contra o sobe-e-desce de Wall Street em meio à expectativa com um plano do governo dos EUA para socorrer a área de hipotecas, ao mesmo tempo em que refletia a permanente desconfiança na saúde dos bancos.

"Enquanto não ficar claro para os investidores como vai funcionar o plano de socorro a bancos, o cenário vai ficar nebuloso lá fora", disse Leme.

A Bovespa também se esquivou da escalada de notícias da crise, com a economia da zona do euro tendo a maior contração trimestral da história no final de 2008, enquanto a confiança do consumidor dos EUA caiu em fevereiro para o menor nível em três meses.

No plano corporativo, o Llyods divulgou que sua subsidiária HBOS teve prejuízo de cerca 12,3 bilhões de dólares no ano passado.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG