Tamanho do texto

Os números da produção industrial de fevereiro vieram fracos, pesam para expectativa de um PIB negativo no 1º trimestre, mas ainda assim mostram recuperação, na margem, da atividade. A avaliação é do economista-sênior do BES Investimento, Flávio Serrano, que concedeu hoje entrevista ao AE Broadcast Ao Vivo.

A produção industrial cresceu 1,8% em fevereiro ante janeiro e na comparação com fevereiro de 2008, a produção caiu 17,0%.

"O resultado veio bem abaixo do que a gente esperava, que era crescimento de 3,6% na margem. Ao mesmo tempo tivemos o segundo aumento consecutivo da produção, o que é importante. Vemos uma recuperação da indústria, na margem, mas em ritmo mais fraco, porque há algumas restrições, como o ciclo de ajuste de estoques que ainda está em curso", explicou.

Embora espere uma recuperação gradual da indústria, Serrano acredita que a produção industrial este ano deverá registrar queda ao redor de 3%.

Para Serrano, os dados da produção industrial reforçam expectativa de que o PIB volte a ser negativo no 1º trimestre deste ano, mas acredita que a recuperação da economia possa dar primeiros sinais no 2º trimestre e ficar mais evidente na segunda metade do ano. Ele estima que o Produto Interno Bruto (PIB) deverá ficar estável ou crescer até 1%.

Serrano comentou também os números referentes a bens de capital, o único segmento a registrar queda na produção em fevereiro, ante janeiro (-6,3%). "Existem ainda restrições importantes, de crédito e em relação ao mercado internacional... e o ambiente de incerteza afeta muito esse segmento da economia. Bens de capital respondem muito a estímulo de taxa de juros e uma maior previsibilidade da economia e nesse momento a incerteza prevalece"

Na avaliação de Serrano, o crescimento levemente positivo do Brasil este ano poderá ser possível "por conta das condições domésticas". "Lá fora ainda há riscos importantes. Havia expectativa de que o pior já passou, mas os dados de emprego (nos EUA) de hoje mostram que não é bem assim", comentou. Relatório do ADP/Macroeconomic Adviser informou hoje que houve corte de 742 mil vagas no setor privado dos EUA em março, o maior já registrado na história da pesquisa.

(Luciana Xavier e Lucinda Pinto, segue)
O áudio com a íntegra da entrevista estará disponível, em instantes, no seguinte endereço: AE Broadcast Ao Vivo

Para sugestões de nomes e temas para entrevistas, além de comentários sobre os programas entre em contato com a editora Luciana Xavier pelo e-mail (luciana.xavier@grupoestado.com.br) com o assunto SUGESTÃO ou COMENTÁRIOS.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.