O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou à Agência Estado que o governo continua apostando nas medidas adotadas para aquecer a economia. Segundo ele, está sendo feita uma revisão das receitas em 2009 que já apresentaram queda nos dois primeiros meses do ano.

"Vamos tirar tudo o que não estiver expressamente determinado pelo presidente como prioridade e vamos fazer os ajustes que tiveram que ser feitos", afirmou.

Paulo Bernardo avaliou que ainda há um problema localizado na questão do crédito, principalmente para as pequenas e médias empresas, mas que medidas como o pacote habitacional e a redução do IPI para automóveis novos devem dar um impulso na economia. "A redução do IPI deu uma puxada boa no primeiro trimestre", disse.

Ele informou ainda que o presidente Lula tem cobrado uma desoneração mais ampla dos investimentos. O Ministério da Fazenda, segundo ele, tem feito um diagnóstico. "Sempre temos um embate porque, quando se desonera, se perde receita. Mas a avaliação que estamos fazendo é que é melhor perder receita agora e ganhar depois no crescimento econômico ou perder porque a economia está deprimida", afirmou.

O ministro disse que havia uma reclamação de que o governo estava aumentando a arrecadação. Mas isso estava ocorrendo, segundo ele, sem aumento de impostos, apenas como resultado do crescimento econômico. Agora, pelas projeções do governo, deve haver uma queda de carga tributária em 2009. O ministro afirmou que o governo tem discutido várias alternativas para fazer frente às necessidades de custeio e investimento e que a utilização do fundo soberano do Brasil é uma das alternativas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.