A economia dos EUA deve continuar sua recuperação no próximo ano, mas um mercado de trabalho fraco e o crédito apertado devem deixar o crescimento num ritmo moderado, disse o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke. Quando a recuperação for suficientemente forte, Bernanke disse, o banco central dos EUA estará pronto para desativar as medidas de estímulo maciço à economia, para evitar inflação.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237575389905&_c_=MiGComponente_C

Ele ilustrou uma série de opções à disposição do Fed para implementar sua estratégia de saída.

"Embora tenhamos começado a ver alguma melhora na atividade econômica, ainda temos alguma distância a percorrer antes que possamos assegurar que a recuperação será autossustentada", disse Bernanke em discurso no Clube Econômico de Washington.

"As previsões econômicas estão sujeitas a grande incerteza, mas creio neste ponto que continuaremos a ver um modesto crescimento econômico no próximo ano - suficiente para trazer a taxa de desemprego para baixo, mas num ritmo mais lento do que gostaríamos", acrescentou.

A taxa de desemprego nos EUA caiu inesperadamente para 10% em novembro, enquanto as perdas de vagas de trabalho recuaram ao menor patamar desde que a recessão começou em dezembro de 2007, segundo os dados divulgados na sexta-feira. Foi um dos mais fortes sinais nas últimas semanas de que a economia dos EUA está saindo da pior recessão em décadas.

Os mercados financeiros viram os dados do emprego de sexta-feira como uma possível razão para o Fed ficar mais perto de elevar os juros e estavam aguardando por sinais de Bernanke em seu discurso de hoje.

No início da semana passada, os mercados futuros estavam precificando menos de 20% de probabilidade de que as taxas dos Fed Funds, pela qual os bancos fazem empréstimos entre si no overnight, subiria para 0,5% até a reunião do Fed de junho de 2010. No fechamento de sexta-feira, esta chance era projetada em quase 70% pelos contratos futuros.

No entanto, Bernanke foi cauteloso, indicando que o mercado de trabalho continua fraco, apesar da melhora. Ele disse que o mercado de trabalho "embora não esteja mais se contraindo ao ritmo que vimos em 2008 e início deste ano, continua fraco".

Bernanke disse que os gastos com consumo não devem crescer rapidamente, uma vez que as pessoas seguem preocupadas com a segurança de seu emprego e têm acesso limitado ao crédito.

Em sua última reunião, nos dias 3 e 4 de novembro, as autoridades do Fed melhoraram levemente a avaliação da economia, mas projetaram que o desemprego elevado e a inflação baixa os levará a manter as taxas no nível recorde de baixa, perto de zero, por "um período prolongado". As informações são da Dow Jones.

Leia também:


Leia mais sobre
Federal Reserve

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.