O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, afirmou nesta quarta-feira que a inflação está muito elevada nos Estados Unidos e garantiu que o banco se empenhará para reduzi-la.

"A inflação está muito elevada. E é uma prioridade absoluta para o Federal Reserve adotar uma política que mantenha a inflação a um nível aceitável e coerente com a estabilidade dos preços", afirmou Bernanke em pronunciamento no Parlamento.

Bernanke falou pouco após o anúncio do departamento de Trabalho que os preços ao consumo registraram em junho sua taxa mais alta dos últimos 26 anos, em alta de 1,1% em relação a maio, devido principalmente à disparada dos preços da energia.

O presidente do banco central destacou que o "boom enorme dos preços do petróleo e de outras matérias-primas deve-se em certa medida a fatores que fogem ao controle do Fed".

"O Fed não pode criar um outro barril de petróleo. São as condições de oferta e demanda mundial que afetam mais estas coisas", acrescentou.

Sobre a cotação do dólar disse: "Cabe a nós fazer com que os fundamentos sejam bons, porque o Fed tem por obrigação garantir um crescimento forte e uma estabilidade dos preços, e eu acredito que se conseguirmos atingir estas metas, o vigor do dólar a médio prazo refletirá esta saúde subjacente da economia".

Ele destacou que as intervenções sobre os mercados de câmbio devem ser feitas somente de vez em quando. "Mas pode ser uma ação temporária, pode ser justificada em condições de desordem nos mercados", acrescentou.

Bernanke frisou seu otimismo sobre a saúde das organizações de refinanciamento hipotecários Fannie Mae e Freddie Mac, atacadas na Bolsa a ponto de tornar necessário um plano de salvamento pelo Tesouro e o Fed.

"Estas empresas são corretamente capitalizadas. Não há risco de vê-las desabar", garantiu.

Ele falou da fragilidade da confiança nos mercados para explicar a queda dos preços, que torna difícil para elas levantar fundos.

"Eu acredito que o mercado imobiliário é realmente o elemento central desta crise", acrescentou.

cg/rs/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.