Roma, 8 out (EFE).- O Tesouro italiano intervirá para evitar que qualquer banco quebre, anunciou hoje o primeiro-ministro do país, Silvio Berlusconi, ao término de uma reunião extraordinária com seu gabinete.

Essa intervenção, caso seja necessária, acontecerá mediante a compra de ações de um banco em apuros por parte do Estado, acrescentou Berlusconi, que assim quis transmitir uma mensagem de tranqüilidade aos italianos.

No entanto, o Conselho de Ministros ainda não se decidiu sobre um fundo à disposição dos bancos por considerar que as entidades bancárias têm "patrimônio e liquidez suficiente".

"Os italianos não devem correr para retirar o dinheiro e colocá-lo debaixo do colchão porque o sistema financeiro nacional é mais seguro", disse Berlusconi.

Suas palavras foram aprovadas pelo ministro da Fazenda, Giulio Tremonti, que explicou que o que o Conselho de Ministros pretende é "estender a garantia do Estado sobre o fundo de garantia interbancário".

Tanto Tremonti como Berlusconi reiteraram que não se trata de salvar bancos "porque o sistema financeiro italiano é sólido e eles se salvam por si sós", mas de assegurar o que já está garantido.

Da coletiva, também participou o chefe do Banco da Itália, Mario Draghi, que explicou que a decisão adotada é apenas "uma medida de prudência". EFE alg/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.