Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Berlim rejeita proposta de Sarkozy para ajudar empresas

O ministro alemão de Economia, Michael Glos, rejeitou hoje a proposta do presidente francês, Nicolas Sarkozy, de que os Governos europeus ajudem suas grandes empresas com dinheiro público, por considerá-lo contrário aos princípios da economia alemã.

Redação com EFE |

"A proposta francesa de proteger a indústria européia com fundos estatais para evitar sua absorção por investidores estrangeiros é contrária aos fundamentos de nossa política econômica", afirmou Glos, da União Social-Cristã da Baviera (CSU), em declarações que publica amanhã "Frankfurter Allgemeine Zeitung".

Correligionário da chanceler Angela Merkel, o porta-voz de Relações Exteriores da União Democrata-Cristã (CDU), Eckart Von Klaeden, classificou de "desproporcionais" as medidas apontadas por Sarkozy. "O bem-estar econômico da Alemanha e de muitos outros países europeus depende da disposição das empresas estrangeiras a investir em nosso país", acrescentou Von Klaeden.

O conservador Ruprecht Polenz, presidente da Comissão Parlamentar de Exteriores, acusou o presidente francês de pretender aproveitar a crise para aplicar velhos conceitos.

As críticas dos governamentais ganharam o coro do opositor Partido Liberal (FDP), cujo porta-voz financeiro, Hermann Otto Solms, qualificou de "insensata" a proposta de Sarkozy.

O presidente francês lançou hoje a proposta de ajudar as grandes empresas para evitar uma desvantagem frente às estrangeiras e que caiam em mãos de investidores estrangeiros.

Perante o Parlamento Europeu, Sarkozy afirmou que a crise financeira conduz a uma crise econômica à qual os 27 devem responder unidos.

Entre as idéias colocadas aos eurodeputados, Sarkozy destacou a criação de fundos soberanos em cada Estado membro para entrar no capital das grandes empresas e evitar que sejam compradas por companhias de outros países.

"Não quero que os cidadãos europeus acordem dentro de uns meses e vejam às companhias européias em mãos estrangeiras, adquiridas a preço de saldo", advertiu.

Mais notícias

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG