Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BCE recomenda a bancos que garantam capital e liquidez

Frankfurt (Alemanha), 15 dez (EFE).- A vulnerabilidade e os riscos persistirão no sistema financeiro internacional e os bancos deverão estar atentos e se assegurar de que têm capital e liquidez suficientes para enfrentar os desafios que se aproximam.

EFE |

Essa é a advertência formulada pelo Banco Central Europeu (BCE) às entidades financeiras em seu relatório sobre estabilidade financeira de dezembro, apresentado hoje.

"A crise não terminou", declarou o vice-presidente do BCE, Lucas Papademos na apresentação do relatório, que apresenta quatro possíveis ameaças do futuro.

A primeira é a contínua deterioração do mercado imobiliário nos Estados Unidos e na zona do euro e seu impacto na qualidade do empréstimo e no valor das garantias.

A segunda é o aprofundamento e a extensão do arrefecimento econômico mundial e na eurozona, o que de acordo com Papademos poderia reduzir a capacidade dos devedores de realizar seus pagamentos.

A terceira ameaça é a acentuação dos problemas dos bancos de reduzir o endividamento perante os persistentes altos custos de financiamento, o que afetaria de forma negativa o fluxo do crédito à economia.

Para os analistas do BCE, o quarto desafio que o sistema financeiro poderia enfrentar é o aumento da volatilidade do mercado provocada pelas posições dos fundos de alto risco.

"Perante todos estes riscos, os bancos necessitam estar especialmente atentos e assegurar-se que têm a capacidade e liquidez necessárias", disse o vice-presidente do BCE.

Segundo dados do relatório, as turbulências pelas quais o sistema financeiro internacional atravessa desde o segundo semestre de 2007 até o terceiro de 2008, inclusive, provocou perdas no mercado de US$ 720 bilhões aos principais bancos do mundo.

Desse total, 37%, ou o equivalente a 239 bilhões de euros, correspondem aos principais bancos europeus.

Os bancos da zona do euro registraram perdas no valor de US$ 131,3 bilhões, o que representa 18% do total.

Em relação às perdas no mercado dos bancos da América do Norte, o relatório do BCE as quantifica em 59%.

Papademos ressaltou que, no mesmo período, os principais bancos do mundo alcançaram novo capital no valor de US$ 765 bilhões, ou seja, mais do que perderam.

A participação dos bancos europeus na obtenção desse novo capital foi, segundo o BCE, de 39%, enquanto a parcela das entidades financeiras da eurozona foi de 18% .

Segundo Papademos, a conclusão geral da análise do sistema financeiro é que as turbulências persistem e que a estabilidade do sistema financeiro na zona do euro continua sendo incerta.

A solução, afirmou Papademos, está no setor bancário e nas facilidades de refinanciamento, assim como no desenvolvimento dos fundos de alto risco (hedge funds). EFE cv/ab/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG